Pneu vira arte

Nelson mostra mini poço decorativo instalado numa chácara

Borracheiro de Bernardino de Campos
produz peças artesanais com pneus

Borracheiro construiu um "pula pula" com pneu
Borracheiro construiu um “pula pula” com pneu

Sérgio Fleury Moraes
Da Reportagem Local

Borracheiro há praticamente 20 anos em Bernardino de Campos, Nelson José Leite, 34, há um ano começou a se aventurar na arte de modelagem. Na verdade, ele continua manipulando pneus, que se transformam em ornamentos para casas e chácaras. Nelson faz até móveis tendo como matéria prima pneus velhos. Começou como uma brincadeira e, hoje, o borracheiro já tem clientes fixos para seu artesanato. Não demora muito e ele deve, inclusive, trocar o trabalho na borracharia pela arte.
O artesanato com pneus também transforma Nelson num defensor do Meio Ambiente. Afinal, o tempo de decomposição do pneu é indeterminado, embora alguns cientistas estimem em quase 1.000 anos. Além disso, o pneu velho virou um problema de saúde pública, já que contribui para a proliferação do mosquito Aedes Aegypti. Por fim, o pneu polui o Meio Ambiente porque costuma ser descartado em matas ou até rios. O problema é tão grave que muitos países discutem, há anos, o que fazer com o crescimento desordenado de pneus velhos.
Foto: Sérgio FleuryO borracheiro Nelson Leite, por sinal, tem esta consciência, tanto que costuma buscar “matéria prima” nos ecopontos de Santa Cruz do Rio Pardo, onde há descarte de pneus velhos. No entanto, ele só usa aqueles que ainda têm borracha. “Quando o arame está aparecendo, ele não serve para ser manipulado. Afinal, a peça a ser produzida pode ferir alguém”, conta.
Nelson faz o artesanato nos intervalos entre atender um cliente na borracharia, que fica na avenida Coronel Albino Alves Garcia, numa das principais entradas de Bernardino de Campos. Mas ele também costuma manipular os pneus nos feriados e fim de semana.
“Minha sogra é a culpada de tudo isso”, diz, em tom de brincadeira. É que Eliana de Fátima Rodrigues Santos foi quem encontrou uma peça decorativa construída com pneus na internet. Gostou, mostrou ao genro e o desafiou a fazer uma igual. Pronto, surgia o artista dos pneus.
O borracheiro já ganhou até “ajudantes” na linha de produção. “Meu amigo Toninho Tavares me ajuda a cortar os pneus. Na pintura, tem minha esposa Mariana e a avó dela, dona Cidinha. Minha sogra também está começando”, contou. Nelson explica que a ajuda é necessária porque ele ainda não pode paralisar totalmente o serviço de borracharia para se dedicar ao artesanato. No entanto, acredita que este projeto está próximo.

“VITRINE” — Na entrada da borracharia em Bernardino, Nelson expõe parte de sua arte com pneus
“VITRINE” — Na entrada da borracharia em Bernardino, Nelson expõe parte de sua arte com pneus

Foto: Sérgio FleuryA propaganda, por exemplo, já não se limita à própria borracharia, onde peças artesanais estão expostas logo na entrada. Nelson já estampa sua arte no “Big Portal”, na internet, e fez sucesso expondo seu trabalho na última feira agropecuária de Bernardino de Campos. A produção cresceu tanto que os pneus usados da cidade desapareceram, daí o fato de Nelson buscar a matéria prima até em Santa Cruz do Rio Pardo. “De cada 100 pneus que geralmente são descartados, pelo menos 80 eu utilizo no artesanato”, conta.
As peças são construídas basicamente com pneus, mas também utilizam parafusos, já que elas não são coladas. Em outras, há alguns improvisos, como uma miniatura de um poço que hoje ornamenta uma chácara rural de Bernardino de Campos. O pequeno telhado do poço é de bambu.
Aliás, várias chácaras da cidade e região possuem jardins enfeitados com peças manipuladas por Nelson. São xícaras, bules e vasos coloridos, prontos para receberem flores. O borracheiro pensou em tudo, até nos orifícios para o escoamento correto da água.
Ele também produz móveis para varandas — a poltrona, muito confortável, é disputada por muitos clientes —, mas uma das linhas mais procuradas é a infantil. De pneus velhos, Nelson fabrica balanços, jogos para “amarelinha” e até “pula-pula” com enormes pneus de trator e borracha “trançada”. Um deles, por sinal, está na borracharia e costuma ser “testado” por muitos marmanjos. “Não quebra nunca”, garante.
Ao lembrar que tudo começou como uma brincadeira, Nelson hoje até aceita desafios. “Eu fiz a primeira xícara sem imaginar que seguiria com esta arte. Mas agora posso fazer o que as pessoas pedirem”, afirma, enquanto mostra uma arara colorida feita totalmente com retalhos de pneus. O artesanato vai decorar a entrada de uma chácara da região.
A sogra dele, Eliana Santos, lembra que há um ano pediu ao genro para fazer uma xícara. “Como era época de Natal, queria encantar minha neta, Lívia. Nem imaginava que hoje eu estaria ajudando na pintura”, diz. Segundo ela, o trabalho é relaxante e gratificante. “É uma terapia gostosa, pois sabemos que estamos ajudando a natureza e isto é muito importante”.

Nelson faz muitos enfeites para decorar chácaras
Nelson faz muitos enfeites para decorar chácaras

Mudou a paisagem

Foto: Sérgio FleuryNa zona rural de Bernardino, há várias chácaras enfeitadas com os produtos de Nelson. Numa delas mora Osmeire Borges Silveira, que se apaixonou pela arte. “No meu aniversário, minha nora me perguntou qual presente eu queria: um perfume ou uma xícara de pneu. Escolhi e xícara e amei. Não demorou muito e eu já estava escolhendo outros enfeites”, conta.
Ela é a dona do poço em miniatura, que ainda está sendo preparado com flores. No entanto, vai comprar mais. “Minha nora, que me presenteou com aquela xícara, agora já tem um puf e uma taça. Na verdade, as peças são tão bonitas que é impossível ficar com uma só”, garante Osmeire.

* Colaborou Toko Degaspari

Sobre Sergio Fleury 1671 Artigos
Proprietário e Editor do Jornal Debate