Desapropriação de terreno garante Santacruzense na Segunda Divisão

SEM ACESSO — Veto surgiu porque só existe uma entrada para o estádio

Time corria o risco de encerrar atividades, mas
prefeito se comprometeu a desapropriar um imóvel

Leônidas Camarinha corria o risco de ser interditado
Leônidas Camarinha corria o risco de ser interditado

Sérgio Fleury Moraes
Da Reportagem Local

Por muito pouco a Esportiva Santacruzense não foi praticamente extinta na semana passada. O comando da Polícia Militar anunciou que não iria liberar o estádio municipal “Leônidas Camarinha” por causa da ausência de uma entrada para torcida adversária. Um laudo dos bombeiros também não aprovou o estádio. Na noite de quarta-feira, 3, a tendência era os diretores anunciarem o fim das atividades do clube. No dia seguinte, porém, numa reunião do gabinete do prefeito Otacílio Parras Assis (PSB), ficou decidido que o município vai desapropriar um terreno na lateral do estádio, na rua Padre Figueira, para cumprir a legislação e permitir que o time dispute a Segunda Divisão do campeonato paulista.
O encontro com o prefeito reuniu diretores da Santacruzense, secretários da prefeitura e os comandantes da Polícia Militar e dos Bombeiros. No dia anterior, o presidente do clube, Domingos do Carmo, foi informado pelo capitão Cassiano Corrêa de Moraes de que o estádio municipal não seria liberado para a disputa do campeonato paulista. Como seria o segundo ano consecutivo de afastamento do time de competições da Federação Paulista de Futebol, o clube só poderia retornar caso pagasse uma taxa de R$ 800 mil. Seria, obviamente, o fim do clube.
No entanto, a decisão do prefeito Otacílio Parras Assis surpreendeu os dirigentes da Esportiva e até mesmo os secretários. Sem outra solução à vista, ele determinou o início imediato de um processo para a desapropriação de um terreno que dá acesso ao estádio municipal pela rua Padre Figueira. O proprietário já havia sido procurado por diretores do clube, mas não quis conversar sequer para discutir algum tipo de aluguel nos dias de jogo.
O problema é que a legislação esportiva é dura e impõe condições até mesmo para pequenos estádios, como é o caso do “Leônidas Camarinha”. O único acesso de torcedores, pela rua Simão Cabral, não pode servir como entrada para duas torcidas adversárias em dias de jogo.

Desapropriação

O vice-presidente da Esportiva Santacruzense, Cláudio Antoniolli, disse na quinta-feira, 4, horas após a reunião com o prefeito, que a postura de Otacílio surpreendeu positivamente a diretoria. “A Polícia Militar estava irredutível e tudo indicava que o clube estaria fora do campeonato. A multa para retorno é de R$ 800 mil, inviabilizando definitivamente a disputa dos campeonatos”, afirmou o dirigente.
Segundo Antoniolli, o problema do estádio é antigo e as diretorias anteriores, bem como dirigentes da prefeitura ligadas ao Esporte, já haviam sido comunicadas sobre a necessidade de o estádio municipal ganhar um acesso novo para torcidas adversárias.
O vice-presidente explicou que a desapropriação do imóvel não é feita rapidamente. “Isto estará resolvido até o meio do ano e o capitão da Polícia Militar se comprometeu a conversar com os comandantes regionais. Creio que, com o compromisso firmado pelo prefeito, não haverá problemas para disputar um campeonato da Segunda Divisão”, disse.
Há um outro problema que a Federação Paulista está relevando até que a Santacruzense consiga resolver: o tamanho do gramado do estádio “Leônidas Camarinha”, que é menor do que as dimensões oficiais exibidas pela legislação esportiva. “Faltam três metros. Na verdade, a largura do gramado é maior, mas o comprimento precisa ser aumentado”, disse Antoniolli.
No entanto, já existem planos para acertar a irregularidade, com a derrubada futura dos vestiários e ampliação do gramado. “O prefeito anunciou na reunião que há um projeto em andamento para esta obra. Além disso, contamos com a boa vontade da Federação Paulista de Futebol, que tem ajudado muito a Santacruzense”, disse Cláudio Antoniolli.


ATRAÇÃO — Ednan, centroavante artilheiro do time na temporada de 2016, está voltando à Santacruzense
ATRAÇÃO — Ednan, centroavante artilheiro do time na temporada de 2016, está voltando à Santacruzense

Craque de 2016 está
retornando ao clube

Ednan deixa Ponte Preta e acertou com a Esportiva

O TÉCNICO — Claudinho Batista será o comandante do time em 2018
O TÉCNICO — Claudinho Batista será o comandante do time em 2018

O atacante Ednan, ídolo da torcida da Santacruzense na temporada de 2016, já está praticamente contratado pelo time para a disputa do campeonato paulista da Segunda Divisão deste ano. O jogador estava na Ponte Preta de Campinas.
A venda de Ednan, há pouco mais de um ano, causou polêmica porque foi fechada no intervalo entre os dois confrontos da Santacruzense pelo acesso à série A-3. O time havia empatado o primeiro jogo em Jaú, contra o XV de Novembro — gol de Ednan — e jogava por um novo empate em casa, no “Leônidas Camarinha”. Entretanto, antes da decisão que valia o acesso, o então presidente Sidnei Maluza anunciou a venda do jogador para a Ponte Preta. Coincidência ou não, a Santacruzense perdeu o segundo jogo e não obteve o acesso à série A-3.
O pior é que Maluza renunciou pouco tempo depois e o time nunca viu a cor do dinheiro da transação, uma vez que os recursos teriam sido bloqueados para o pagamento de dívidas trabalhistas.
Ednan ainda não assinou o contrato para a temporada deste ano, mas já acertou as bases salariais e deve se apresentar no clube dentro de algumas semanas. “Já está 99,9% confirmado”, garantiu o vice-presidente Cláudio Antoniolli. “Será uma atração a mais para o nosso torcedor”, emendou.
A Santacruzense já havia definido antecipadamente Claudinho Batista como o técnico para a temporada de 2018. O clube também já contratou um goleiro, outro centroavante, um zagueiro e um meia. Porém, o restante do elenco poderá ser definido através de uma “peneira”, onde atletas de Santa Cruz do Rio Pardo devem ser definidos para a disputa do campeonato paulista da Segunda Divisão. Este tipo de avaliação inicialmente está prevista para começar no próximo dia 14, mas pode ser adiada por causa da Festa do Peão de Boiadeiro.
O campeonato paulista começa em abril, mas no início de fevereiro haverá o Conselho Arbitral da Federação Paulista de Futebol, quando a tabela será definida. A Santacruzense vai disputar nas categorias Sub-15, Sub-17 e Sub-20.
Segundo o vice-presidente Cláudio Antoniolli, o acesso à série A-3 sempre é um sonho presente entre diretores e torcedores, mas a meta é reestruturar totalmente o time em 2018. O clube espera ultrapassar as principais fases do campeonato, fazer uma boa disputa e entrar em 2019 com um time bem montado para disputar o acesso com muita força.
“São 44 clubes disputando este campeonato e somente dois vão subir. É difícil, mas quem imaginava que o Corinthians seria campeão brasileiro no ano passado?”, brincou o vice-presidente Cláudio Antoniolli.

Sobre Sergio Fleury 1851 Artigos
Proprietário e Editor do Jornal Debate