Suíça está de olho no fertilizante de S. Cruz

Trator em Caporanga mostra que aplicação não necessita de máscaras
O suiço Pascal veio a Santa Cruz do Rio Pardo para negociar parceria
O suiço Pascal veio a Santa Cruz do Rio Pardo para negociar parceria

O fertilizante agrícola fabricado à base de babosa, produzido pelo santa-cruzense Magno Alves, está despertando o interesse até de outros países. Na semana passada, o suíço Pascal Langenegger esteve pela segunda vez em Santa Cruz para discutir com Magno uma parceria que possibilite o ingresso do revolucionário produto no mercado europeu. Pascal, que é pesquisador, vive há anos na Bahia e, inclusive, casou-se com uma brasileira, mas ainda faz parte de um comitê suíço que estuda meios de acabar com o uso do agrotóxico nas plantações.
O fertilizante natural foi desenvolvido por um cientista da Unicamp, mas Magno comprou a fórmula há alguns anos, investindo todas as suas economias, e ainda aprimorou a receita. O resultado surpreende os agricultores, pois o fertilizante consegue respostas bem superiores aos tradicionais agrotóxicos. De quebra, afasta o veneno das plantações e principalmente da mesa das famílias que consomem os alimentos.
Magno teve dificuldades para conseguir testar o novo produto, pois os agricultores, desconfiados, tinham receio de um efeito contrário. Aos poucos, porém, começando nas estufas, o fertilizante mostrou sua eficácia e Magno já atende grandes plantadores de soja de toda a região.

Destaque na TV

Na semana passada, a nova tecnologia foi noticiada pela regional da TV Record numa extensa reportagem. Vários agricultores foram entrevistados e confirmaram o poder da babosa no campo.
O suiço Pascal Langenegger faz parte de um comitê suíço que estuda o fim dos pesticidas na agricultura. O movimento está coletando assinaturas para um futuro plebiscito, onde a população votará o banimento definitivo dos agrotóxicos naquele país.
“Fiquei maravilhado quando descobri este produto natural”, afirmou, lembrando que comprou o fertilizante de um amigo e descobriu sua potencialidade. Pascal não pensou duas vezes: veio a Santa Cruz e iniciou negociações com Magno para uma futura parceria. “Quero, inclusive, plantar babosa na Bahia”, disse.
Enquanto conversa com o suíço, Magno Alves percorre as lavouras que utilizaram o fertilizante na região de Santa Cruz. Os números da soja, por exemplo, surpreendem, com um aumento muito expressivo na safra deste ano.

Sobre Sergio Fleury 5840 Artigos
Proprietário e Editor do Jornal Debate