Cart vai à Justiça; prefeito suspende coleta de lixo e transporte de universitários

Na vicinal que dá acesso a Caporanga, através do Posto Paloma, dezenas de caminhões estão estacionados
No trevo da rodovia Orlando Quagliato, máquinas deixaram acostamento e foram estacionadas na grama

No segundo dia de greve dos caminhoneiros em Santa Cruz do Rio Pardo, num movimento que no País já entrou no quarto dia, a Justiça concedeu liminar para desbloquear rodovias e proibir, inclusive, o estacionamento de caminhões nos acostamentos. A decisão foi tomada nos autos da ação movida pela Cart (Concessionária Auto Raposo Tavares), que administra as rodovias da região, contra duas entidades que estariam à frente do protesto dos caminhoneiros.

Na manhã desta quinta-feira, 24, oficiais de Justiça estiveram nos dois bloqueios que existem no município, um no posto Paloma, na SP-225, e outro no quilômetro 7 da rodovia Orlando Quagliato, no trevo próximo ao Distrito Industrial. No entanto, nenhum manifestante assinou a ordem judicial. Na Orlando Quagliato, o protesto recebeu o forte apoio dos agricultores, que também sofrem com o preço do diesel.

Já no início da tarde, nos postos Paloma e Ipê, locais onde o bloqueio de caminhões é forte, os oficiais também não conseguiram entregar a ordem judicial. No entanto, em comum acordo com os oficiais, técnicos da Cart e a Polícia Rodoviárias, os caminhoneiros aceitaram retirar os veículos dos acostamentos. O acordo estava sendo fechado nesta tarde.


Caminhoneiros e agricultores soltam rojões após a saída dos oficiais de justiça

Sem coleta de lixo

A greve dos caminhoneiros já teve reflexos diretos na economia de Santa Cruz do Rio Pardo. Na noite de quarta-feira, 23, milhares de veículos lotaram os postos de combustíveis, temendo um colapso no abastecimento. O alto consumo fez com que o álcool e a gasolina desaparecessem dos tanques. Na tarde de hoje, apenas dois ou três postos ainda tinham combustíveis.

O prefeito Otacílio Parras (PSB) determinou que fiscais do município percorressem os postos para verificar se há abusos nos preços. A determinação é para multar os estabelecimentos que estão se aproveitando do movimento de protesto para subir os preços dos combustíveis.

O prefeito também anunciou que a coleta de lixo foi suspensa por tempo indeterminado. A medida foi tomada porque o lixo de Santa Cruz do Rio Pardo está sendo levado para uma usina de reciclagem de Piratininga, desde que o aterro da cidade foi interditado. Como há bloqueio na rodovia SP-225, os caminhões provavelmente ficariam detidos.

A prefeitura também suspendeu o transporte de universitários a partir desta quinta-feira, 24. A empresa San Carlos, que ainda é a responsável pelo serviço, anunciou que possui combustíveis estocados, mas o prefeito ponderou que a suspensão é por motivos de segurança. Afinal, o movimento dos caminhoneiros é pacífico em Santa Cruz, mas não se sabe como está o clima em outros municípios.

Por determinação do prefeito, o município também suspendeu a entrega dos programas “Leite do Idoso” e “Leite da Criança”. Além disso, Otacílio Parras determinou o recolhimento de todas as máquinas do município ao pátio da Codesan.

O pátio do posto Ypê, na rodovia SP-225, está repleto de caminhões
Sobre Sergio Fleury 5835 Artigos
Proprietário e Editor do Jornal Debate