Obra de Otacílio em calçada de avenida cimentou as árvores

INCRÍVEL! — Na calçada em frente ao ginásio de esportes, tudo foi cimentado, inclusive as árvores

Troncos e até mudas de árvores novas estão “sufocadas”
pelo cimento e podem ter desenvolvimento comprometido

Pequenas árvores, ainda com suportes, também foram cimentadas

Sérgio Fleury Moraes
Da Reportagem Local

A reforma da calçada localizada na frente do Ginásio de Esportes, na quadra da avenida Clementino Gonçalves, realizada pela Codesan — a autarquia do município —, pode acabar com todas as árvores que estão no passeio público. Afinal, os troncos das maiores e até as árvores menores, ainda em crescimento, foram cimentados na base, sem o tradicional contorno para a infiltração de água. O cimento foi colocado no início da semana passada e já secou completamente.
A quadra da Clementino Gonçalves em frente ao ginásio de esportes já foi muito mais arborizada. Um vídeo de 1985, feito pelo ex-prefeito Onofre Rosa de Oliveira, mostrou que a Clementino possuía uma extensa arborização nos dois lados da avenida. Aos poucos, as árvores foram sendo cortadas, mas sobraram várias no lado do ginásio de esportes. A mesma tendência de cortes aconteceu com outros pontos da cidade.
A vegetação no ginásio protege os usuários do espaço do sol forte do verão, além de abrigar idosos e moradores que frequentam o local aos domingos, quando geralmente há música entoada num pequeno palanque. A própria prefeitura, que retirou algumas árvores da calçada há algum tempo, plantou novas mudas, mas todas também foram cimentadas.
A reforma na calçada do ginásio de esportes começou há três semanas e aparentemente está sendo finalizada. Há bancos espalhados pelo espaço, mas eles podem perder a função durante o sol forte do verão caso as árvores desapareçam.
Segundo especialistas em botânica, o verão traz chuvas fortes e ventos intensos, que muitas vezes provocam a queda de árvores. No entanto, muitos acidentes são provocados pela falta de cuidados com as árvores nas cidades. A principal é a impermeabilização da base da árvore com cimento. Para alguns administradores que desconhecem a necessidade de se proteger o Meio Ambiente, a medida seria uma forma de evitar a “sujeira” da terra no passeio público. Porém, sem o contato com água ou ar, a árvore deixa de receber nutrientes vindos da matéria orgânica e, portanto, vira alvo fácil de pragas e adoece. Com o tempo, a árvore simplesmente apodrece.
Na capital paulista, por exemplo, há uma lei municipal que, desde 1987, impede o município ou moradores de cimentar a base de uma árvore. Em Santa Cruz, o prefeito Otacílio Parras (PSB) implantou uma política de corte desenfreado de árvores na área urbana da cidade. Na maioria dos casos, a alegação é que “laudos técnicos“ do município teriam condenado a árvore, mas muitos moradores reclamam que a vegetação subtraída aparentemente era saudável.
Na semana passada, a administração iniciou as obras de revitalização das avenidas Doutor Cyro de Mello Camarinha e Batista Botelho, determinadas num acordo judicial com o Ministério Público. As recomendações fazem parte de um programa que prevê o retorno de calçadas às características originais e o plantio de gramas e mudas de novas árvores da espécie Sibipiruna.

Árvores foram cimentadas sem o tradicional canteiro para sua sobrevivência

‘Vai quebrar’

Na sexta-feira, 23, o secretário municipal do Meio Ambiente, Luciano Massoca, ficou surpreso ao ser informado pela reportagem de que havia árvores cimentadas na calçada do ginásio de esportes. Ele ressaltou que a obra não diz respeito à sua secretaria, mas que iria comunicar o setor de Esportes para que o problema seja solucionado.
“Sinceramente, eu não vi. Mas o cimento não pode ficar encostado na árvore. Vou pedir que seja feito imediatamente um contorno nas calçadas para as árvores”, disse. A solução será a administração quebrar novamente o concreto da calçada, o que deve acontecer nos próximos dias.

Sobre Sergio Fleury 4577 Artigos
Proprietário e Editor do Jornal Debate