Com Pinhata na presidência, Câmara pode ganhar independência

EMOÇÃO — Vereador em primeiro mandato, Pinhata surpreendeu e se elegeu presidente da Câmara

Vereador do MDB em primeiro mandato foi lançado na
última hora e surpreendeu ao vencer o candidato ‘oficial’

SURPRESA — Integrante da base governista, Neves apoiou Pinhata

Pela primeira vez no governo de Otacílio Parras (PSB), o presidente da Câmara não vai dever nenhum favor ao prefeito. Na segunda-feira, 17, o vereador Paulo Pinhata (MDB) foi eleito presidente depois de ser indicado por um grupo de parlamentares descontentes com a forte interferência do prefeito no Legislativo. Pinhata venceu por um voto o candidato escolhido pelo prefeito, Luiz Antônio Tavares (PSB). Ele promete o fortalecimento da Câmara, inclusive resgatando o respeito da população com independência.
A eleição de Pinhata foi definida poucas horas antes da eleição, numa reunião realizada na Câmara. Pinhata já estava descontente com o prefeito Otacílio Parras, que teria desdenhado do fato do parlamentar não ter formação acadêmica, logo após o nome dele ser cogitado. Uniram-se, então, o descontentamento de Pinhata com a vontade de vários vereadores de retomar a independência da Câmara.
Um dos articuladores da candidatura foi o vereador Luciano Severo (PRB), para quem o Legislativo estaria “indignado” com o fato do outro candidato ter sido indicado há tempos pelo próprio Otacílio. “Isto soa como uma interferência do prefeito, o que é inadmissível”, disse. Severo foi quem teve a ideia da reunião na tarde de segunda-feira, onde um grupo de vereadores definiu a candidatura de Paulo Pinhata.

Candidato à Câmara, “Luizão” discursou apenas em defesa do prefeito

Proposta tentadora?

Edvaldo foi chamado nos fundos por Roger Garcia e Lourival Heitor

Minutos antes da reunião, poucos governistas perceberam que Pinhata estava praticamente eleito, já que ele teria votos de parlamentares da base governista. Assessores do prefeito Otacílio estavam presentes no recinto e, ao suspeitar da derrota iminente, começaram a conversar freneticamente com o prefeito pelo telefone. Otacílio está em férias no Mato Grosso.
No desespero, o foco de um forte assédio acabou sendo o vereador Edvaldo Godoy (DEM). Ele chegou a ser puxado da cadeira pelo líder do governo, Lourival Heitor (DEM), para conversar longe do plenário. Lourival teria recebido um recado do prefeito, através do assessor de Relações Institucionais Roger Garcia.
A proposta era para Edvaldo votar em “Luizão” que, em troca, ele teria o apoio de Otacílio nas eleições de 2020, caso se lançasse candidato a prefeito. Edvaldo refutou. No final da reunião, ele ainda confirmou que havia uma “ligação perdida” do prefeito em seu celular.
Mas os discursos dos dois candidatos acabaram sendo determinantes para a vitória de Paulo Pinhata. O vereador do MDB usou a tribuna da Câmara para defender o fortalecimento do Legislativo. Ele disse que não iria prejudicar os projetos do prefeito Otacílio, caso beneficiassem a cidade.
Luiz Tavares, por sua vez, atacou a oposição e fez um discurso meramente de defesa do prefeito. “Esta é a melhor administração que Santa Cruz já teve. Eu darei apoio a ele até o último dia desta administração, pois não pretendo me candidatar mais”, anunciou. Em seguida, disse que aqueles que criticam Otacílio são, na verdade, “pessoas inescrupulosas”.
E mais: chegou a dizer que “administrar não é apenas colocar luzinhas” nas ruas. O recado foi para a administração de Ipaussu, a cidade mais iluminada na região neste Natal. Dois vereadores daquele município, que acompanhavam a sessão, se retiraram do recinto no mesmo instante.
Foi o bastante para definir a eleição a favor de Pinhata. O vereador — que ocupa o cargo pela primeira vez — foi eleito graças aos votos de Luciano Severo, Cristiano Neves, Edvaldo Godoy, Joel de Araújo, Murilo Sala e Maura Macieirinha.


VITÓRIA — Candidato de última hora, o “calouro” Pinhata foi eleito para os próximos dois anos

‘Nesta Câmara não
haverá coronelismo’

Novo presidente diz que caráter é mais
importante do que formação acadêmica

Com um estilo bonachão e simpático, o técnico em eletrônica Paulo Edson Pinhata (MDB) surpreendeu ao bater o candidato do prefeito Otacílio na noite de segunda-feira, 17. Mais do que a vitória de Pinhata e de um grupo de vereadores inconformados com a interferência de Otacílio, foi uma derrota criada pelo próprio prefeito de Santa Cruz.
Como em toda eleição, vários nomes de vereadores chegaram a ser citados como prováveis candidatos fora do esquema governista. Afinal, Luiz Antônio Tavares (DEM) já estava escolhido pelo prefeito há meses. O atual presidente, Marco “Cantor” Valantieri (PR), chegou a ser sondado pela oposição, mas o prefeito descobriu e o convocou para uma reunião no gabinete, onde decretou a possibilidade de reeleição de Marcos.
Quando Pinhata foi lembrado, Otacílio correu às emissoras de rádio para dizer que “Luizão” era o mais competente para o cargo, já que tinha curso superior de Direito e, inclusive OAB. Na verdade, o registro de Tavares na OAB está suspenso.
As declarações foram suficientes para Pinhata se sentir atingido. “Mais do que a formação acadêmica, importante é o caráter, a honestidade, a ética e a simplicidade do ser humano. Isto não tem estudo que pague”, disse logo após ser eleito. “Este será meu principal princípio”, insistiu.
Aliás, Pinhata parece ter se transformado na sessão de segunda-feira. Fez discursos serenos e, já eleito, disse que vai trabalhar pelo fortalecimento do Legislativo. “Não vou atrapalhar a administração do prefeito, mas é preciso respeitar os poderes, que são independentes. Não haverá nenhuma linha dura, mas vou ouvir todos os 13 vereadores. Aqui não haverá nada de coronelismo”, afirmou.
Pinhata disse que a Câmara deve trabalhar pelos menos favorecidos. “São aqueles que acordam cedo, pegam sua marmitinha e vão trabalhar para sustentar suas famílias. São estes que mais dependem dos políticos”, disse.

Sobre Sergio Fleury 5195 Artigos
Proprietário e Editor do Jornal Debate