Excessos de fim de ano podem prejudicar saúde

Exagero em comidas pesadas e bebidas
alcoólicas é muito comum nas festas

Diego Singolani
Da Reportagem Local

O fim de ano costuma ser sinônimo de mesa farta e copo cheio. Um verdadeiro convite aos excessos, em meio a tantas festas, ceias e confraternizações. Muita gente deixa a culpa de lado e “enfia o pé na jaca”, sem titubear. Porém, de acordo com um especialista da área médica, os exageros na virada de ano podem trazer prejuízos à saúde que vão muito além da famigerada ressaca pós-réveillon. Planejamento e responsabilidade, garante o profissional, são as chaves para conciliar os prazeres da boa mesa com o equilíbrio do corpo.
Perder o autocontrole nessa época do ano pode ter como motivação não apenas os costumes ou a gula, mas questões psicológicas e comportamentais. É o que afirma o médico da família Ronald Nei da Cruz. Ele explica que este período do ano envolve muitas expectativas e ansiedade. “É algo intenso para as pessoas. A preocupação em organizar os eventos, a correria, a saudade dos entes queridos que já partiram, tudo isso é somado e pode levar o indivíduo a extravasar na comida e na bebida”, diz o médico. “É preciso relaxar. Seja numa poltrona ou deitado na grama. Tirar um tempo para refletir, sozinho, tomando uma água, um suco natural. Isso pode ajudar a diminuir a ansiedade”, declarou Ronald.
No quesito nutricional, o alerta é para a combinação de alimentos gordurosos, açúcar e álcool. “Além da obesidade, comidas muito gordurosas, como a leitoa assada, por exemplo, podem acarretar problemas circulatórios com o passar dos anos”, diz Ronald. “O açúcar em excesso, presente nos tradicionais panetones e chocotones, favorece o desenvolvimento da diabetes e da hipoglicemia. Quanto ao abuso de álcool, temos que citar tanto os problemas sociais — como brigas e acidentes de trânsito —, como também o risco a órgãos vitais do copo humano, principalmente o fígado e o pâncreas”, complementou o médico.

DICAS — O médico Ronald diz ser possível se divertir sem afetar a saúde

Bom senso

Uma das principais dicas do médico Ronald Cruz é tirar o foco das comemorações da comida. “Valorize as pessoas. Sente longe da mesa, converse mais com os convidados durante as festas”, sugeriu. O planejamento também é fundamental. “Não é bom ficar longos períodos sem se alimentar. Comer algo leve antes de sair de casa, incluindo saladas e frutas, ajuda a saciar a fome e evitar exageros”, alerta Ronald. Na hora de se servir, a escolha do que colocar no prato também faz toda a diferença. “Não precisa provar de tudo, principalmente quando forem pratos muito elaborados. Priorize saladas e verduras, e reserve um espaço menor para carnes e carboidratos”, declarou.
Para os que estão na luta contra a balança, o álcool é o principal inimigo — pior até que o açúcar. “Um grama de álcool fornece sete calorias, enquanto uma grama de açúcar, quatro. Além disso, o álcool estimula a liberação do cortisol, um hormônio que causa acumulo de gordura na região abdominal”, disse o médico. “Tome a bebida devagar, de preferência comendo alguma coisa junto, para desacelerar a absorção do álcool pelo estomago”, orienta Ronald.
O fígado é o órgão responsável por depurar o álcool do organismo. Ocorre que a velocidade desse processo é limitada. Em média, leva cerca de uma hora para o órgão depurar uma lata de cerveja ou uma taça de vinho por hora. “Se o fígado não metabolizar direito, no caso de haver a ingestão de bastante álcool em pouco tempo, substâncias tóxicas acabam sendo liberadas no sangue. A consequência mais conhecida desse processo é a ressaca e seus sintomas: dor de cabeça, mal-estar, náuseas e vômitos, irritação ao acordar, desidratação e hipoglicemia”, explica. Se a quantidade de álcool for muito acima dos limites do organismo, a pessoa pode até entrar em coma. “Neste caso, o maior risco é o de afogamento com o próprio vômito”, diz Ronald. Beber água de forma intercalada com as bebidas alcoólicas ajuda a diminuir os efeitos da ressaca.
Chás e sucos detox são uma boa opção natural para aliviar o desconforto daqueles que exageraram nas festas de fim de ano. O médico Ronald Cruz, inclusive, dá algumas dicas. “Chás de boldo, carqueja, erva doce e camomila são ótimos. Existem ainda inúmeras receitas de sucos detox, mas a minha sugestão é bater água de coco, um pedaço de pepino, uma maçã, uma folha de couve e um pedaço de abacaxi. É ótimo para o fígado”, garante.

Sobre Sergio Fleury 5866 Artigos
Proprietário e Editor do Jornal Debate