Difusora leva a verba publicitária

‘NO PREGO’ — “Pregão” para gastos de publicidade oficial em rádios foi realizado na manhã de quinta-feira, 3

Como previsto, emissora venceu o pregão e ganhou
exclusividade; pregão não teve presença da Band

‘O BENEMÉRITO’ — Otacílio Parras mantém farta publicidade em rádios

Sérgio Fleury Moraes
Da Reportagem Local

O atraso foi pequeno, de apenas alguns minutos. Na escada de acesso ao gabinete do prefeito Otacílio Parras (PSB), o empresário Pedro Donizeti, sócio da rádio Difusora, conversa freneticamente com o assessor Roger Garcia, que também trabalha na emissora. Do outro lado, no saguão de entrada do prédio público, estava o também empresário Janus Kenez, da rádio “Antena A”, cuja sede fica em Ipaussu. No meio dos dois, nenhum sinal da Band FM. Nos corredores da prefeitura, o secretário Renan Alves, que também é dono de um jornal, fala ao telefone e se movimenta entre as salas. Servidores do setor de licitações demonstravam nervosismo, inclusive desautorizando o ingresso de pessoas no saguão do andar superior antes do início do pregão. Este era o cenário da manhã de quinta-feira, 3, quando a prefeitura realizou a licitação para distribuir publicidade oficial a emissoras de rádio. Sem surpresas, o pacote de 5.000 inserções ficou exclusivamente para a Difusora, que vai receber, no mínimo, R$ 56 mil dos cofres públicos.
Aliás, a única surpresa ficou por conta da presença de Janus Kenez, já que o edital expedido pelo governo de Otacílio limitou a participação no pregão apenas a emissoras com sede no município. “Vim só para encher o saco. Não pretendo recorrer à Justiça”, apressou em explicar Janus, ao ser questionado pela reportagem.
O cenário, claro, foi montado para favorecer a Difusora. A Band FM, segundo consta, não foi sequer alertada pela prefeitura sobre o pregão. Menos de uma hora antes do certame, a emissora recebeu um telefonema do secretário Renan Alves, informando sobre a licitação. Era tarde.
Ninguém duvidava que a Difusora seria a vencedora. Até o preço inicial ofertado pelos ‘spots’ de 30 segundos — R$ 12 — nem precisava ficar fechado num envelope. Um dia antes, o DEBATE, através de seu site, informou o preço que seria oferecido pela Difusora no rodapé da notícia sobre a licitação. Exatos R$ 12. Da mesma forma, cifrada, informou que a Band poderia oferecer R$ 20 e, assim, estaria longe da disputa. Segundo pesquisa recente feita pela Associação Comercial e Empresarial (ACE), a Band é a emissora que lidera com folga a audiência em Santa Cruz.
Os donos de emissoras são chamados à sala de licitações pela pregoeira. Todos se sentam numa enorme mesa, junto com servidores públicos que vão acompanhar o processo. Vai começar o pregão que iria referendar a verba publicitária para a rádio Difusora.

‘INTRUSO’ — Janus Kenez, da rádio ‘Antena A’, entrou no pregão para não disputar a verba de publicidade

‘Leilão para baixo’

Quando os envelopes de propostas foram abertos, o valor inicial ofertado pela “Antena A” — 11,49 — era menor do que os R$ 12 da Difusora. No entanto, como a diferença entre os valores não superava 10%, a legislação dá a oportunidade de um “leilão” entre os concorrentes. Foi aí que Pedro Donizeti, que nem se perturbou com o preço menor da concorrente, imediatamente reduziu sua oferta para R$ 11,30. A “Antena A” anunciou, de pronto, que já ia desistir, mas ainda ofertou alguns centavos a menos. A Difusora fez outra oferta menor e Janus desistiu. “Não vou ficar aqui participando de um leilão”, reclamou o empresário. “Mas a ideia é exatamente esta”, explicou a leiloeira Luciana Araújo. A Difusora, então, foi declarada vencedora com o preço de R$ 11,20.
Enquanto os papéis iam sendo preparados, Pedro Donizeti e Janus Kenez conversaram animadamente sobre equipamentos e potências de emissoras de rádio. Depois das assinaturas de praxe, eles se despediram calorosamente.
A participação da “Antena A” no pregão soa estranha porque a emissora tem sede em Ipaussu e, portanto, não estava de acordo com o edital da prefeitura. Não foi impugnada porque perdeu no preço, numa disputa curiosamente entre valores muito próximos.
Assim que a Difusora foi declarada vencedora do pregão, Janus foi questionado, já fora do prédio da prefeitura, se sua presença não seria apenas para dar legalidade e um certo ar de competitividade à licitação. Ele concordou. Então, por que não ofertou um valor menor? “Eles não iam dar [a publicidade] para mim de jeito nenhum”, explicou. Janus ressaltou que, caso vencesse, iria ser impugnado pela concorrente e, por isso, desistiu facilmente.
Não se sabe, entretanto, se a emissora poderia incluir os 5.0000 “spots” publicitários do governo de Otacílio Parras em sua programação. Afinal, a “Antena A” recentemente arrendou metade de seu horário para a “Vox Dei”, uma instituição religiosa ligada à Igreja Católica e comandada pelo padre Robson.
Pelo valor pago pela instituição à emissora, dá para fazer uma comparação com o preço ofertado à prefeitura. O arrendamento à instituição religiosa custa aproximadamente R$ 6,5 por 30 segundos, muito abaixo dos R$ 11,20 que a “Antena A” se recusou a cobrir.
Com a Difusora proclamada como detentora da verba publicitária governamental, resta saber se o prefeito Otacílio Parras vai continuar autorizando gastos com as outras emissoras. Sem licitação, ele pode gastar até R$ 17,6 mil, mas, no caso das emissoras de rádio, ele vai ter de justificar muito bem qualquer outra despesa fora do pacote que foi licitado na última quinta-feira, 3.


ESPERA — Pedro Donizeti aguardou o pregão na escada do gabinete, onde se encontrou com Roger Garcia

Difusora poderá seguir com
publicidade durante 5 anos

A rádio Difusora não terá a exclusividade da publicidade do governo de Otacílio Parras (PSB) apenas por um ano, como consta no edital da licitação vencida pela emissora na última quinta-feira, 3. O novo contrato que o sócio Pedro Donizeti vai assinar nos próximos dias pode ser renovado de forma ininterrupta por até cinco anos, sem necessidade de novo pregão. O fato foi confirmado pela pregoeira Luciana Araújo logo após a finalização do pregão.
Este artifício para beneficiar a Difusora já vem sendo adotado pelo prefeito Otacílio Parras desde o início de seu governo, em 2013. A diferença é que, antes, não havia licitação, o que levou o Ministério Público a abrir um inquérito para investigar a irregularidade. Somente para a Difusora, segundo apurou a Câmara, Otacílio repassou mais de R$ 226 mil sem licitação pública. A justificativa do governo é que a emissora era a única na frequência AM do município, o que dispensava licitação. A verba publicitária, então, era dividida todos os anos entre a Difusora e a Band FM, que, em contrapartida, cediam generosos espaços para pronunciamentos do prefeito Otacílio Parras.
O valor de R$ 56 mil decidido no pregão de quinta-feira, 3, também deve ser majorado, já que a legislação permite “aditamentos” ao contrato de até 25%. Assim, até o final do pacote de 5.000 inserções, o valor pago à Difusora pelos cofres públicos deve chegar a R$ 70 mil.

Sobre Sergio Fleury 5838 Artigos
Proprietário e Editor do Jornal Debate