Capitão Augusto já admite ‘impeachment’ do presidente Bolsonaro

Deputado federal está se isolando no grupo do presidente Bolsonaro

Deputado vê semelhança do atual governo com a situação
da época do impeachment da presidente Dilma Rousseff

Capitão apoiou Bolsonaro, mas agora é um dos grandes críticos do governo

Sérgio Fleury Moraes
Da Reportagem Local

Depois de pedir demissão da função de vice-líder do governo no Congresso Nacional, o deputado Capitão Augusto Rosa (PR) disse na semana passada, em entrevista ao jornal “Valor Econômico”, que “a relação com os parlamentares está tão ruim” que há risco de impeachment do presidente Jair Bolsonaro (PSL). “É triste uma luta tão grande para a direita assumir o poder e ver esfacelando a nossa imagem”, afirmou. Este quadro de afastamento, segundo o capitão, pode acontecer se a economia desandar nos próximos meses.
O deputado disse que o presidente Bolsonaro tinha o Congresso como “calcanhar de aquiles”, mas ignorou tudo e agora assiste a repetição do filme que levou ao afastamento da ex-presidente Dilma Rousseff (PT). “Tentei contribuir, mas se estou vendo que não consigo porque não escutam, melhor sair fora. Está péssimo o relacionamento”, afirmou.
Capitão Augusto foi o mais votado para a Câmara dos Deputados em Santa Cruz nas eleições do ano passado e o 10º na lista dos mais votados em todo o Estado. Como militar da reserva, Rosa aproveitou a “onda Bolsonaro” e, reeleito, se gabava de ser um dos parlamentares mais próximos do presidente da República.
O deputado também elogiou o vice-presidente Hamilton Mourão, desafeto dos filhos do presidente. Segundo Rosa, o vice “é muito elogiado” no Congresso e tem diálogo com deputados de todos os partidos. “Gosto dele”, resumiu.
O ex-vice-líder do governo lembrou, ainda, que Bolsonaro sempre teve péssimo relacionamento na Câmara dos Deputados em seus quase 30 anos de parlamento. “Nunca foi de dialogar, de ter grupos, de relatar projetos, convencer os outros. Na última vez que tentou a eleição para a presidência, teve quatro votos. Eu e mais três”, afirmou.
Deputado caricato, Capitão Augusto Rosa gosta de causar polêmicas. No primeiro mandato, foi criticado ao se apresentar em plenário trajando uniforme da Polícia Militar, mesmo pertencendo à reserva. Depois, precisou explicar o fato da JBS ter investido R$ 50 mil em sua campanha eleitoral. Mais tarde, foi chamado pela grande imprensa de “deputado banqueiro” por se apresentar nos municípios com cheques gigantes em alusão a emendas.
No primeiro mandato, o DEBATE noticiou que o deputado superfaturou o aluguel de sua sede em Ourinhos, cujo valor foi pago pela Câmara Federal. Há meses, ele anunciou a mudança de seu domicílio eleitoral para Bauru e defendeu que sua nova cidade deveria ser escolhida como a capital de São Paulo.
Além disso, Rosa entrou em atrito com o prefeito Otacílio Parras (PSB), trocando farpas pela imprensa. Segundo o deputado, o prefeito deixou de informar à população a relação de emendas que conquistou para Santa Cruz. Depois, ambos fizeram as pazes, quando Otacílio praticamente “rifou” o deputado federal Milton Monti (PR) nas eleições do ano passado.

  • Publicado na edição impressa de 12/05/2019
Sobre Sergio Fleury 4973 Artigos
Proprietário e Editor do Jornal Debate