Otacílio descarta ônibus gratuito

ESTUDOS — Pinhata, que também defende a gratuitadade, retirou pedido para estudar melhor o benefício

Apesar de ter sugerido a gratuidade no ano passado,
prefeito diz que custo alto inviabiliza a tarifa zero

Sérgio Fleury Moraes
Da Reportagem Local

O prefeito Otacílio Parras (PSB) disse na semana passada que não há a menor possibilidade de conceder a gratuidade no transporte coletivo urbano, que será municipalizado provavelmente a partir de agosto e gerido pela Codesan. A ideia do transporte gratuito foi lançada pelo próprio prefeito em março do ano passado, quando revelou que iria municipalizar o serviço de transporte de passageiros e que “provavelmente seria gratuito”. Duas semanas depois, Otacílio desistiu do plano e informou que ele era inviável porque, neste caso, pessoas ficariam “passeando” o dia todo de ônibus circular.
Na semana passada, o assunto voltou a ser debatido. Os vereadores Luciano Severo (PRB) e Paulo Pinhata (MDB) chegaram a redigir uma indicação ao prefeito, solicitando que a Codesan fizesse o transporte gratuito. Momentos antes da sessão de segunda-feira, 1º, porém, os vereadores retiraram o requerimento. Havia mototaxistas na plateia, mas os vereadores garantiram que eles não pressionaram para a retirada do documento.
Luciano Severo, que usou a tribuna na segunda-feira, 1º, para defender a gratuidade, disse depois que será preciso mais estudos para apresentar um pedido específico, com os custos técnicos de cada ônibus. “Eu continuo achando que a gratuidade deve ser algo a ser estudado. Temos os ônibus universitários gratuitos, que privilegiam uma parte da população, e devemos discutir estender este benefício para setores de menor poder aquisitivo, que é a maioria da população de Santa Cruz do Rio Pardo”, disse Severo. Entretanto, ele ponderou que tudo vai depender da disponibilidade financeira do município.

“Não dá”

Na semana passada, o prefeito Otacílio Parras disse que a Codesan ainda não está em condições de operar os ônibus de transporte coletivo urbano. Ele lembrou que apenas um veículo, que faz a linha para o distrito de Caporanga, já está rodando em caráter emergencial porque a Riopardense perdeu um ônibus num acidente há duas semanas. O trajeto é realizado gratuitamente porque o prefeito planeja não cobrar passagens no primeiro mês de transporte estatal.
Segundo Otacílio, há questões burocráticas que ainda devem ser resolvidas. Ele explicou, por exemplo, que os seguros dos sete ônibus comprados pela prefeitura ainda estão em nome da antiga empresa proprietária. “Os motoristas da Codesan também precisam realizar treinamentos para o transporte e nem todos têm”, disse.
O prefeito avaliou que “provavelmente|” em agosto o serviço municipal deve começar. “Aí, até todo mundo se acostumar, inclusive os motoristas, o transporte será gratuito”, disse. Depois de um mês, segundo Otacílio, as passagens voltarão a ser cobradas. O preço será R$ 3,50, o mesmo que está em vigor pela Riopardense.

Prejuízo

O prefeito afirmou que o transporte municipal de passageiros será deficitário, mesmo com a cobrança de tarifas. Assim, se o serviço fosse gratuito outros setores do município ficariam com menos recursos.
Otacílio rebateu alguns argumentos usados por Luciano Severo na tribuna da Câmara, afirmando que os custos citados pelo vereador não correspondem à realidade. “Colocaram que cada ônibus custaria R$ 200 por dia, o que significaria um custo mensal de R$ 18 mil por mês pelos três veículos. Isto não tem cabimento, pois cada ônibus vai custar R$ 918 por dia. Nós temos a informação de que a empresa de ônibus de Ourinhos tem um custo estimado por veículo em torno de R$ 1 mil”, disse.
Após anunciar estes números, Otacílio Parras disse que o município vai subsidiar o transporte e, portanto, não há condições de estabelecer a gratuidade. “Eu mesmo pensava em propor este benefício, mas pedi ao Cláudio Agenor Gimenez e ao Gerson Garcia que estudassem este assunto. Voltaram de Agudos abismados, pois o transporte naquela cidade está sendo sucateado”, afirmou. Agudos é um dos municípios do Estado que oferecem o serviço de transporte coletivo gratuito.

  • Publicado na edição de 07/07/2019
Sobre Sergio Fleury 4474 Artigos
Proprietário e Editor do Jornal Debate