Condenado, Agenor diz que pode ser candidato em 2020

Agenor: pena por improbidade

André H. Fleury Moraes
Da Reportagem Local

O ex-presidente da autarquia Codesan, Cláudio Agenor Gimenez, afirmou em entrevista à Band FM que participará das eleições do ano que vem mesmo tendo sido condenado por improbidade administrativa. Ele disse que pode agir nos bastidores, mas não descartou a hipótese de ser, inclusive, candidato a algum cargo eletivo.
Agenor foi condenado por improbidade por usar o site da Codesan como se fosse um “blog” particular, com ofensas a desafetos e elogios à sua gestão na atual autarquia. O juiz Marcelo Soares Mendes estipulou uma multa de dois salários do presidente na época e o pagamento de todas as custas e despesas processuais. O valor pode passar de R$ 30 mil. Além disso, a sentença determina que, quando o processo transitar em julgado, o nome de Agenor será lançado no cadastro nacional dos “fichas sujas”. Para o magistrado, houve “dolo evidente” do ex-presidente.
Agenor, porém, disse que vai recorrer da pena ao Tribunal de Justiça de São Paulo. Ele segue com a versão de que não usou o site para defesa pessoal contra a “CPI das Horas Extras”, cujo relatório o responsabilizou por uma série de irregularidades.
Agenor foi a pessoa mais próxima de Otacílio durante um bom tempo do governo.
Na entrevista, o ex-dirigente lembrou que era o candidato a prefeito da oposição nas eleições de 2012, quando deixou a vaga, em plena campanha eleitoral, para o amigo Otacílio Parras, que foi eleito. “Eu vou continuar defendendo o prefeito, pois é um dos melhores da história de Santa Cruz do Rio Pardo”, afirmou.
Entretanto, o ex-dirigente não confirmou se vai apoiar o candidato imposto pelo prefeito Otacílio nas próximas eleições. “Com o fim do mandato do atual prefeito, encerra-se um ciclo”, disse. Agenor ainda reclamou que ele, que “teria passado a Codesan a limpo”, acabou sendo condenado.

  • Publicado na edição impressa de 28/07/2019
Sobre Sergio Fleury 4971 Artigos
Proprietário e Editor do Jornal Debate