Candidato, Edvaldo agora diz que governo é transparente

Aliado de última hora, Edvaldo se transformou
num dos maiores defensores do prefeito na Câmara

O vereador Edvaldo Godoy (DEM), que trocou a oposição pelo governo em março, para ser candidato a vice na chapa lançada pelo prefeito para as eleições de 2020, não mudou apenas de grupo político. Suas opiniões também tiveram uma mudança radical. Na última sessão da Câmara, na segunda-feira, 12, ele chamou o governo de “transparente” durante a votação do projeto da vereadora Maura Macieirinha (PSDB), que propôs uma maior publicidade sobre a isenção de IPTU aos contribuintes, inclusive no próprio carnê do imposto que é distribuído em todas as residências.
Edvaldo, entretanto, foi um dos maiores críticos do governo nos dois mandatos de Otacílio Parras, antes de aderir à administração. Em 2015, como relator da primeira CPI da Codesan, foi duramente atacado por Otacílio por ter apontado irregularidades na organização contábil da atual autarquia.
Em contrapartida, Edvaldo denunciou a falta de transparência do governo em inúmeras ocasiões, principalmente quando Otacílio não respondia seus pedidos de informações de forma ampla. No ano passado, o vereador solicitou várias informações sobre a perícia técnica contratada pelo prefeito para apurar o rombo do caso Sueli Feitosa, sem sucesso.
Em dezembro de 2016, o vereador foi chamado por Otacílio como “líder da oposição”. No ano seguinte, trocou acusações públicas no Facebook com o filho do prefeito, o médico Mauro Assis, que o acusou de “amarelar”. Edvaldo disse que “amarelar é com seu pai, que renunciou ao cargo de prefeito”, lembrando a renúncia de Otacílio em 2017, que ele próprio suspendeu horas depois.

CONFRONTO — Cristiano Neves discutiu com Edvaldo Godoy na sessão

Discussão áspera

Na sessão de segunda-feira, 14, Edvaldo ironizou um discurso de Cristiano Neves (PRB) que elogiou a proposta de Maura para divulgar as isenções. Para Neves, a ideia de estampar as regras no próprio carnê do IPTU era “fantástica”, mas advertiu que as letras deveriam ter destaque e não com letras muito pequenas. “É preciso clareza com esta isenção”, afirmou.
Edvaldo disse que o governo “sempre mostra o que é benéfico para a população” e sugeriu que as rádios da cidade também fizessem esta divulgação, lembrando que Cristiano Neves é comunicador de uma emissora, a Band FM. “O serviço comunitário de uma rádio é este e espero que isto aconteça”, disse Edvaldo Godoy.
Cristiano Neves acusou a ironia e devolveu da mesma forma. “Uma boa dica para o Roger Garcia, que está presente e pode encaminhá-la para a rádio oficial do prefeito”, afirmou Cristiano, sobre o assessor de Relações Institucionais que estava na plateia ao lado de Otacílio Parras e, apesar do cargo na administração, é o radialista que costuma entrevistar o prefeito na rádio Difusora.
Edvaldo não gostou da “alfinetada” e reclamou ao presidente que Cristiano Neves não podia ter falado ao final de seu discurso. “Pode entrar falando assim? Se puder, vou entrar falando também”, disse, irritado. Neves riu e, em voz baixa, disse a Edvaldo: “Levou?”
A discussão entre os dois ficou mais ríspida e o vereador governista chamou Cristiano Neves de “tontinho”, que reclamou ao presidente. Edvaldo debochou: “Serviu para o senhor?”
O presidente Paulo Pinhata foi obrigado a intervir na discussão, ameaçando retirar os dois vereadores do recinto da Câmara Municipal.

  • Pùblicado na edição impressa de 18/08/2019
Sobre Sergio Fleury 5166 Artigos
Proprietário e Editor do Jornal Debate