Artigo: ‘O segredo é harmonia e paz’

O segredo é harmonia e paz

Nayara Moreno
Da equipe de colaboradores

O que o idoso mais quer é paz e harmonia. Seja dentro de sua casa, com sua família, com seus amigos e em sua rotina, seja ela qual for. Todos nós queremos isso, claro. Mas, quanto mais nós ficamos experientes, menos confusões, discussões e tensão queremos.
Na busca por essas boas energias, o idoso deve fazer sua parte e se cercar de situações positivas e impor limites, inclusive para a família, de conflitos e problemas, principalmente em sua casa, o reino sagrado. Esse estilo de vida não significa, é claro, que a pessoa deve optar por uma rotina pacata e sedentária e nem que deve ser poupada dos problemas familiares, assuntos sempre tratados aqui neste espaço. Claro que não. Mas respeito e bom senso dos que estão a sua volta são elementos essenciais. Afinal, todos já estão bem grandinhos para ficar levando para a mamãe ou o papai qualquer mimo ou frustração.
Por incrível que pareça, quem mais dificulta a busca do idoso pelos equilíbrios interno e externo é a própria família (e as doenças que, possivelmente e provavelmente, surgem durante essa aventura chamada Terceira Idade). E nem sempre filhos, netos e sobrinhos agem por mal em suas intenções no relacionamento com as matriarcas e os patriarcas da família. Mas o exagero nestas iniciativas trazem mais incômodo do que bem-estar.
Exemplos não faltam: é a filha que se preocupa muito com os pais e quer que eles sigam aquilo que ela acha correto (cuidado excessivo sufoca e chateia, por mais amor que se tenha); é o filho que vive interferindo na vida financeira do idoso (algumas vezes, para revolta geral, com interesses nada sinceros por trás); é o vizinho fofoqueiro que julga o próprio idoso e seus familiares com comentários nada construtivos; é a desagradável e absurda pressão que filhos e netos fazem quando o pai e avô precisam tomar decisões importantes; são os herdeiros inconsequentes que agem como adolescentes e armam brigas constrangedoras na casa dos mais velhos.
Nada disso contribui. Pode parecer óbvio, mas poucos agem de maneira racional para evitar tais comportamentos. Com certeza, caro leitor e caríssima leitora, vocês conhecem idosos que sofrem com pelo menos alguma dessas situações (e se isso acontece na sua família, abra o olho).
O idoso, por característica da faixa-etária, já forma e alimenta alguns fantasmas imaginários e, definitivamente, não precisa de mais angústias e tormentas. Os adultos passam a vida toda falando a seguinte frase: “Quando eu ficar velho e me aposentar, eu quero ter paz e descanso”.
Pois é, tem muita gente já vivendo essa sonhada fase. Que tal, então, todos colaborarmos para isso.

* Nayara Moreno
é enfermeira
pós-graduada
e  Responsável
Técnica pela
AleNeto
Enfermagem

 

  • Publicado na edição impressa de 22/09/2019
Sobre Sergio Fleury 5331 Artigos
Proprietário e Editor do Jornal Debate