Empresa de ônibus sofre sabotagem

Pátio da Viação Del Oeste, em vídeo gravado por um radialista de Piraju

Empresa de ônibus “Del Oeste”, citada
na “CPI da Riopardense” de Piraju,
teve sete ônibus com motores danificados

Sérgio Fleury Moraes
Da Reportagem Local

Enquanto o relatório final da “CPI da Riopardense” continua lacrado e aguarda o julgamento de um recurso do vereador Leonardo Tonon, depois de ter sido arquivado por despacho do presidente, um ato de sabotagem causou prejuízo à empresa de ônibus “Del Oeste”, de Piraju, no início da semana passada. A Del Oeste também foi citada durante os trabalhos da CPI como integrante de um cartel para se beneficiar, juntamente com “Riopardense” e outras, dos serviços de transporte coletivo na cidade.
O ato criminoso teria acontecido provavelmente na madrugada de segunda-feira, 12, no pátio da “Del Oeste”, na área urbana de Piraju. A empresa perdeu a concessão do serviço de transporte coletivo da prefeitura, mas ainda possui contrato com uma associação de estudantes para o transporte de universitários.
Durante a “CPI da Riopardense”, os vereadores tiveram problemas para intimar o proprietário da empresa a depor na Câmara. Em maio, o vereador Érico Tavares, que presidiu a CPI, informou ter sido agredido na sede da “Del Oeste” quando tentava intimar o empresário Pedro Henrique. Aliás, foi um ex-funcionário da empresa que denunciou o suposto pagamento de propina ao prefeito por intermédio de Samuel Silva Santos, dono da “Riopardense”.

Açúcar no motor

No final da tarde de terça-feira, seis ônibus da empresa que deixaram o pátio e começaram a buscar estudantes nos pontos, um a um começaram a quebrar no meio da rua. Os motoristas pediram ajuda aos mecânicos da empresa, que imediatamente vistoriaram os motores.
Segundo a direção da “Del Oeste”, criminosos teriam entrado na sede da empresa e colocado açúcar nos motores. O ato teria sido premeditado, pois somente os ônibus que fazem as linhas das faculdades tiveram seus motores danificados. Pelo menos um ônibus não conseguiu sequer voltar para a garagem e provavelmente teve o motor fundido.
O açúcar provoca uma reação interna que trava o motor. Os mecânicos encontraram restos do produto na tampa do carter de todos os ônibus. A direção da Del Oeste avalia que o prejuízo em cada veículo pode chegar a R$ 30 mil.
Não havia vigia no final de semana, mas há uma família que mora no pátio. Entretanto, ninguém viu nada. A empresa registrou queixa e peritos inspecionaram os veículos e possíveis pistas. A Polícia Civil está investigando os responsáveis pelo ato criminoso. 

  • Publicado na edição impressa de 20/10/2019
Sobre Sergio Fleury 5866 Artigos
Proprietário e Editor do Jornal Debate