Promotoria arquiva caso do ‘jumento’

PIADA NACIONAL — O ‘Fantástico’, da Globo, mostrou que as tais pesquisas premiaram até jumento: bastava pagar

Empresa ‘premiou’ vários prefeitos da
região, inclusive o de Santa Cruz, e até um
jumento com medalhas de aprovação popular

André H. Fleury Moraes
Da Reportagem Local

A promotora Paula Bond Peixoto pediu, na segunda-feira, 9, o arquivamento do inquérito contra os prefeitos Otacílio Parras (PSB), de Santa Cruz, Marco Aurélio Pinheiro (PL), de São Pedro do Turvo, e Afonso Nascimento Neto (MDB), de Espírito Santo do Turvo. Todos eram investigados por terem recebido a medalha “Alferes”, do Instituto Tiradentes, denunciado por fraude pelo Fantástico, programa dominical da Rede Globo, no ano passado.

O Ministério Público de todo o Estado começou a investigar as autoridades que usaram dinheiro público para “comprar” homenagens. Em Santa Cruz, o DEBATE noticiou que o prefeito Otacílio e mais três da região foram “agraciados” com a tal “Medalha Alferes Tiradentes”. Lucas Pocay é investigado pelo MP de Ourinhos.

A Globo começou a investigar a “farra” de prêmios e de gastos com dinheiro público envolvendo os tais institutos. Com uma câmera escondida, um repórter se passou por assessor de um prefeito fictício do Nordeste e pagou para que o diploma e medalha fossem expedidos. Informou que o nome do prefeito seria “Precioso”, mas na verdade era um jumento que, mais tarde, foi levado à sede da empresa responsável pela aplicação do golpe alimentado pelo ego dos políticos.

O dono da empresa, filmado sem saber, contou que ganhava até R$ 50 mil por evento de “premiação” e, inclusive, adicionava na nota os gastos com hotéis de luxo e passeios, conforme solicitação dos prefeitos.

Otacílio Parras, porém, informou ao MP que a prefeitura de Santa Cruz não gastou com a contratação de nenhuma empresa de pesquisa, e que ele também não fora ao evento onde seria “premiado” com a medalha.

Entretanto, o prefeito de Santa Cruz usou a “conquista” para se promover politicamente. A referida “pesquisa” indicava que, em 2017, Otacílio Parras teria mais de 94% de aprovação popular. O próprio prefeito se encarregou de divulgar os resultados na rádio Difusora. Ao mesmo tempo, determinou à então secretária de Comunicação, Nathalia Scarmen Simão, a publicação de um gráfico no Facebook vangloriando o governo. Também distribuiu vários releases à imprensa.

Depois da denúncia, a rádio que recebe dinheiro público apagou de seu site a entrevista em que Otacílio fazia alarde sobre os resultados da pesquisa. No programa, Parras chegou a agradecer o apoio da população e afirmou que os índices eram revelavam uma “grande conquista”.

Otacílio teria mais de 94% de aprovação popular, de acordo com o instituto que premiou até jumento…
Prefeito de São Pedro do Turvo, Marquinho Pinheiro

Na região

O prefeito de São Pedro do Turvo, Marco Aurélio Pinheiro, chegou a comparecer ao evento do Instituto Tiradentes, mas alegou ao Ministério Público que não sabia de uma possível falsidade na pesquisa. Disse que, exatamente por isso, era o próprio instituto quem deveria ser responsabilizado.

Este foi o mesmo argumento usado por Afonso Nascimento, prefeito de Espírito Santo do Turvo. Em sua defesa, Afonso também afirmou que chegou a ressarcir todas as despesas os cofres públicos depois que soube da denúncia de fraude quanto ao instituto. É que ele havia viajado ao evento usando dinheiro público.

A promotora Paula Bond, em todos os documentos em que pede o arquivamento, sustenta que “o Instituto Tiradentes não se enquadra no conceito de empresa de pesquisa, havendo indícios de que está realizando e divulgando pesquisas e enquetes, em todo o País, sem a devida observância da metodologia exigida para tanto”.

Analisando a defesa dos prefeitos, porém, o MP de Santa Cruz não encontrou indícios que impliquem atos de improbidade administrativa.

  • Publicado na edição impressa de 15/12/2019
Sobre Sergio Fleury 5182 Artigos
Proprietário e Editor do Jornal Debate