Codesan faz serviço particular em área “clandestina” da Chácara Peixe

BENEFÍCIO — À esquerda, estrada feita pela Codesan; ao lado, a atual

Morador reclama que estrada para
ex-funcionário da Codesan foi construída
com máquina da estatal na Chácara Peixe

Sérgio Fleury Moraes
Da Reportagem Local

Os poucos moradores do “lado esquecido” da Chácara Peixe, abaixo da rodovia SP-225, reclamam que a Codesan realizou obras numa propriedade particular, cujo dono já trabalhou na autarquia da prefeitura de Santa Cruz. A única estrada que serve a várias chácaras no fim do loteamento está abandonada, mas na véspera do Natal uma máquina do município abriu uma nova estrada para dar acesso à propriedade de um único morador. “Nós também pagamos impostos e temos direito”, diz o aposentado João Carfi, 74, que mora há 15 anos numa das chácaras.

O serviço foi executado no dia 24 e só beneficou um único proprietário. João Carfi disse que viu a máquina e imaginou que a estrada comunitária também seria refeita. “Mas não foi isto o que aconteceu. Muitas vezes, eu mesmo fiz a conservação da nossa estrada sozinho, pois tenho filho que vai à escola e faz o caminho a pé”, contou.

A máquina da Codesan também efetuou serviços ao redor da propriedade beneficiada. A nova estrada não pode ser utilizada pelos vizinhos porque este morador possui cães ferozes que costumam investir até em automóveis que se aproximam.

Carfi disse que conversou com o vizinho sobre a presença da máquina da Codesan na propriedade dele. “Ele me disse que precisava fazer o serviço porque a água invadia parte da chácara e, por isso, pediu ao encarregado da Codesan”, disse. “Parece que só havia ordem para este serviço”.

A estrada foi feita na área da Chácara Peixe que foi interditada pela Justiça e considerado loteamento clandestino. 

  • Publicado na edição impressa de 29/12/2019
Sobre Sergio Fleury 5909 Artigos
Proprietário e Editor do Jornal Debate