Beto Magnani: ‘O saturno’

HISTÓRIAS DO MAGÚ

O saturno

Beto Magnani
Da Equipe de Colaboradores

— Sabe tio, eu queria que o ano novo fosse de 2038 e não de 2020 porque em 2038 eu vou ter 28 anos e Saturno já vai ter dado a primeira volta no sol depois que eu nasci. Dizem que depois dessa volta muda a forma como a gente enxerga as coisas. Sabia disso?

— Sabia não. Para mim Saturno já deu duas voltas e não mudou nada.

— É porque você não prestou atenção.

— Mas porque tanta pressa em mudar?

— Se é pra mudar lá na frente, por que não agilizar? Não quero perder tempo.

— Não quer perder tempo e quer pular 18 anos?

— Mas da pra correr atrás lá na frente, depois da mudança. Tá muito devagar esse tempo, quero mudar logo.

— Pra mudar você tem que viver ao invés de ficar só prestando atenção no tempo! Dizem que se você fica olhando pro relógio o tempo demora mais pra passar. Sabia? Parece que aumenta. Se você parar de pensar vai ver como passa mais rápido.

— Mas sem pensar no tempo a gente não vai mudar nunca!

— Sabe que a sua tia disse mais ou menos a mesma coisa quando resolvemos nos casar?

— Ela também queria pular o tempo?

— Ela disse que a gente já estava demorando muito. E se a gente já sábia que ia viver junto o resto da vida, por que não começávamos logo?

— Tá vendo? Ela prestava bastante atenção.

— Mas infelizmente o tempo dela foi mais curto.

— Passou rápido pro senhor, mas talvez para ela não. Se liga tio!

— Menina esperta você hein! Na verdade não tem nem como adiantar e nem como atrasar. Ele caminha juntinho com a gente, lado a lado, até o final. Pular então é impossível!

— Pro senhor que não quer mudar nunca! Vai pra terceira volta de Saturno sem prestar atenção?!

— Parece fácil, mas é muito difícil! Todo mundo fala que vai mudar depois do final do ano, mas ninguém muda bolhufas. Pior são os que falam que vão mudar depois de domingo, na segunda feira. Esses passam a vida tentando e não conseguem.

— Pois é. Mas quem muda mesmo não precisa mais ficar tentando. E continua mudando naturalmente com o tempo. Sem sofrer.

— Quanto tempo você acha que tem pra ficar falando essas coisas?!

Foi atrás de mim a conversa. Não resisti, ouvi. Prestei atenção sem olhar para trás. As vozes foram se afastando devagar. Foram embora. Continuei ali. Olhando para frente. Atento. 
(Magú)

  • Publicado na edição impressa de 29/12/2019
Sobre Sergio Fleury 5866 Artigos
Proprietário e Editor do Jornal Debate