Artigo: ‘Os idosos pagam o pato’

Os idosos pagam o pato

Nayara Moreno
Da equipe de colaboradores

Quando os idosos ficam doentes, os filhos acabam também sofrendo algumas mudanças em suas rotinas. Dependendo da complexidade desta doença, a vida dos herdeiros passa por profundas transformações. E claro que, se tratando de doenças, essas mudanças nunca são exatamente positivas.

Os filhos ficam mais preocupados, se entristecem, adaptam suas rotinas às novas necessidades dos pais e, em alguns casos, precisam contribuir financeiramente em determinas situações. Normal, é o ciclo da vida e das boas relações familiares.

É também compreensível que os filhos fiquem mais nervosos, estressados e até deprimidos. O que não é normal e nem justo é culpar a doença dos pais (ou os próprios pais) por todos os problemas das vidas deles, dos filhos.

Infelizmente, é muito comum perceber isso. Os mais jovens da família se escondem atrás das enfermidades dos mais velhos para justificar toda e qualquer atitude, principalmente aquelas recheadas de negativismo. Tudo vira culpa do estado de saúde do idoso: os problemas no casamento, as dificuldades financeiras, as limitações e os obstáculos no trabalho, etc.

Torna-se cômodo aos filhos, perante a amigos e familiares, usar a doença paterna e/ou materna como desculpas para falhas e deslizes pessoas. Ou até mesmo para explicar situações difíceis que já aconteciam antes mesmo do diagnóstico da tal doença. De repente, ter o pai doente vira até uma “liberação” para ser grosseiro com outras pessoas. “Meus pais estão doentes, estou sofrendo muito”, costuma dizer.

Muita calma nesta hora. Atitudes assim são covardes e extremamente injustas com os pais, que acabam ficando com um perigoso sentimento de culpa. É inegável que ver os pais passando por uma doença ou até mesmo por restrições que surgem com o passar dos anos não é nada fácil e pode mesmo gerar desgaste, cansaço e estresse.

Mas isso jamais deve ser usado como cortina de fumaça para esconder problemas e frustrações pessoais de quem convive com esses idosos adoentados. Todos sabemos que quem está doente, principalmente após os 60 anos, tende a potencializar o que é ruim. Isso também pode deixar os nervos à flor. Mas nada justifica colocar tamanho peso nas costas dos pais.

Os filhos, saudáveis, devem ter o respeito e o discernimento para conviver com essa realidade da maneira mais serena possível, sabendo separar os problemas pessoas daqueles que surgiram após as doenças dos pais. O que os doentes menos precisam neste momento é de gente querendo culpá-los por coisas que não são de sua responsabilidade. 

* Nayara Moreno
é enfermeira
pós-graduada e
Responsável
Técnica pela
AleNeto Enfermagem 

  • Publicado na edição impressa de 05/01/2020
Sobre Sergio Fleury 5335 Artigos
Proprietário e Editor do Jornal Debate