Morre Olímpio Carvalho dos Santos, o decano dos advogados de S. Cruz

EM FAMÍLIA — Olímpio Carvalho dos Santos com os filhos Adriana, Rodrigo (em pé), Mônica e Sandra

Olímpio Carvalho dos Santos presidiu
a OAB de Santa Cruz durante dez anos

Sérgio Fleury Moraes
Da Reportagem Local

O advogado Olímpio Carvalho dos Santos morreu no domingo, 5, depois de enfrentar problemas de saúde. Ele tinha 86 anos e estava internado em São Paulo. Olímpio presidiu a subseção da OAB de Santa Cruz do Rio Pardo durante mais de 10 anos e era o decano dos advogados do município. Antes de se formar advogado, porém, ele foi bancário e trabalhou décadas no Banco do Brasil.

Conhecido carinhosamente pelos amigos como “Pioca”, Olímpio se aposentou como bancário há 40 anos, passando a se dedicar à advogacia. Segundo a filha Adriana, o pai tinha problemas de visão há muitos anos, quando passou a usar óculos com lentes grossas. Mas o que mais o incomodava eram problemas na coluna. “O impressionante é que ele nunca reclamava, apesar das dores”, conta.

Há 15 anos, Olímpio teve uma lesão medular que quase o deixou paralítico. Aos poucos, porém, deixou a cama e recuperou os movimentos. Voltou a andar, mas, segundo Adriana, passou a ter limitações. Já era raro vê-lo em eventos da sociedade até que, há pouco tempo, ao voltar da hidroginástica, Olímpio sofreu uma queda em casa e quebrou o fêmur.

CASAL — Olímpio ao lado da mulher Áurea, que morreu em 2008

Levado para São Paulo numa UTI móvel, passou por uma delicada cirurgia. Olímpio reagiu bem à operação e estava se recuperando, quando teve novos problemas. Sofreu paralisia dos rins e os médicos fizeram de tudo para evitar sua morte.

Olímpio Carvalho era um intelectual que tinha um refinado gosto musical. “Ele adorava músicas clássicas e amava Frank Sinatra. Todos nós crescemos ouvindo estas músicas na vitrola no almoço e jantar. Mas meu pai também gostava de música popular”, conta Adriana.

Aliás, Olímpio não apenas gostava como era cantor. O advogado participou até de CDs gravados pelo músico Mário Nelli, de quem foi admirador. “Meu pai sempre teve um lado boêmio e adorava cantar com os amigos”, contou Adriana. Mesmo quando teve problemas de locomoção e ficou em uma cadeira de rodas, Olímpio fazia questão de acompanhar as “rodas de viola” aos domingos, no ginásio de esportes. Não raras vezes, era homenageado pelas duplas sertanejas.

Foi muito querido na sociedade santa-cruzense e sempre escolhido para atuar em causas sociais. Aliás, Olímpio era viúvo de Áurea Maria de Oliveira Santos, que morreu aos 75 anos em 2008, depois de uma vida inteira dedicada à Rede Feminina de Combate ao Câncer de Santa Cruz do Rio Pardo, entidade da qual foi uma das fundadoras. Olímpio dava todo apoio ao trabalho da mulher, inclusive participando das ações e prestando orientações jurídicas.

Foto da época do Banco do Brasil, com os amigos de trabalho

“Casa da Advocacia

Olímpio Carvalho foi escolhido por unanimidade como presidente da subseção da OAB de Santa Cruz do Rio Pardo em 1990. Reeleito várias vezes, foi o responsável pela compra do imóvel que até hoje abriga a “Casa da Advocacia e Cidadania” da OAB. A conquista aconteceu em 1999, quando Olímpio negociou diretamente os recursos com a seccional paulista da entidade. Deixou a presidência da OAB em 2000.

Segundo Adriana, Olímpio sempre foi muito ligado aos filhos. “Ele detestava Carnaval, por exemplo, mas nos levava ao clube e ficava até o fim. Quando havia bailes, ele fazia o mesmo, sempre nos protegendo”, conta. Nesta época, com os filhos ainda adolescentes ou crianças, o advogado gostava de ver a casa cheia, principalmente com as amigas das filhas.

Olímpio Carvalho dos Santos foi velado na segunda-feira, 6, e sepultado no final da tarde. Uma multidão se despediu do advogado santa-cruzense. Viúvo, deixou os filhos Mônica, Sandra, Adriana e Rodrigo. 

  • Publicado na edição impressa de 12/01/2020
Sobre Sergio Fleury 5920 Artigos
Proprietário e Editor do Jornal Debate