Codesan admite que obra foi feita sem autorização e vai investigar denúncia

MISTÉRIO — João Carfi mostra duas estradas, a antiga e uma mais nova

Autarquia e nem prefeitura autorizaram
construção de estrada na Chácara Peixe

Sérgio Fleury Moraes
Da Reportagem Local

A construção de um novo trecho de estrada rural na Chácara Peixe, na área abaixo da rodovia SP-225, será investigada pela Codesan por meio de uma sindicância. A obra, feita na véspera de Natal do ano passado, não foi autorizada pela prefeitura e nem pela autarquia, de acordo com o presidente Maurício Salemme Corrêa. A nova estrada beneficiou um único morador do local e a antiga estrada permaneceu abandonada.

Segundo o presidente da autarquia, a ordem para execução da obra não partiu da prefeitura e nem da autarquia. Maurício Salemme disse que está averiguando os fatos para posterior abertura de sindicância, que é uma investigação interna para responsabilizar os envolvidos.

A obra foi feita na véspera do Natal na parte “esquecida” da Chácara Peixe, que fica abaixo da rodovia SP-225. A área foi interditada pela Justiça, a pedido do Ministério Público, que considerou o local um loteamento clandestino. No entanto, os proprietários pagam IPTU e, portanto, o novo trecho de acesso a um único morador passou por terrenos particulares.

A máquina só construiu a nova estrada, deixando a anterior sem reparos

No fundo da Chácara Peixe “esquecida” há algumas propriedades cujas famílias moram no local há muitos anos. Há uma estrada de acesso às chácaras, que há algum tempo está abandonada, com crateras e imperfeições que prejudicam até mesmo pedestres. Uma máquina da Codesan, porém, construiu uma nova estrada, saindo da antiga, para beneficiar uma única chácara. A reportagem apurou que o proprietário é ex-funcionário da Codesan, autarquia, aliás, onde hoje trabalha seu filho.

O escrivão de polícia aposentado João Carfi, um dos mais antigos moradores do bairro, diz que viu a máquina na véspera do Natal e imaginou que a estrada comunitária seria refeita. Carfi lembra que ficou animado, pois várias vezes ele próprio fez a manutenção da estrada para evitar que veículos ficassem encalhados ou que pedestres fossem prejudicados. O aposentado, por exemplo, tem um filho que faz o caminho diariamente para ir à escola.

Entretanto, a máquina só construiu a nova estrada, deixando a anterior sem reparos. Além disso, foram feitas benfeitorias ao redor da casa do ex-funcionário da Codesan. A propriedade é guardada por cães ferozes que ficam soltos.

João Carfi disse que ouviu do vizinho que os reparos em sua propriedade foram necessários porque a água das chuvas estava invadindo a chácara e que ele teria solicitado o serviço ao encarregado da Codesan. “Parece que só havia ordem para este serviço. Nós também pagamos impostos e temos direito”, reclamou o aposentado.

O serviço, porém, não foi autorizado pelo município e será investigado numa sindicância interna que será aberta na Codesan. Neste caso, os responsáveis poderão ser punidos pela autarquia. 

  • Publicado na edição impressa de 12/01/2020
Sobre Sergio Fleury 5910 Artigos
Proprietário e Editor do Jornal Debate