Deputado anuncia emenda de R$ 2 milhões ao hospital

RECURSOS — Capitão Augusto Rosa discursa ao lado de Ricardo Madalena

Capitão Augusto fez o anúncio
durante abertura da Festa do Peão

O deputado federal Capitão Augusto Rosa (PL) disse na noite de quinta-feira, 16, que vai destinar uma emenda parlamentar de R$ 2 milhões à Santa Casa de Misericórdia. O acerto final do valor foi feito no camarote oficial da prefeitura na Festa do Peão, numa negociação com o prefeito Otacílio Parras (PSB). A conversa chegou a atrasar a abertura oficial do rodeio.

Coube ao prefeito contar, em primeira mão, a notícia da verba destinada pelo deputado. Segundo ele, a primeira conversa com Capitão Rosa, por telefone, quando a grave situação da Santa Casa foi exposta, o deputado concordou de imediato em destinar R$ 1 milhão. O prefeito pediu mais e o deputado aumentou o valor para R$ 1,5 milhão. Os R$ 2 milhões só foram fechados no camarote, numa conversa final.

Para o prefeito, o deputado federal será lembrado como um dos “salvadores” da instituição e certamente vai merecer uma placa dentro do hospital. “A Santa Casa, apesar de estar com excelente nível de atendimento, estava sob risco de, nos próximos dias, não ter mais condições de atender seus pacientes”, afirmou. Otacílio lembrou que seu avô, Lindolpho Assis, foi um dos fundadores da Santa Casa e também foi homenageado com uma placa no interior do prédio.

Segundo o prefeito, os recursos da emenda que será apresentada pelo deputado Capitão Augusto servirão para “salvar” o hospital pelo menos por mais de um ano. “Nós vamos devolver a Santa Casa para sua administração muito melhor do que está atualmente”, garantiu.

O novo administrador do hospital, Diego Singolani, explicou na sexta-feira, 17, que a emenda parlamentar será enviada à prefeitura, tendo como destino final o custeio da Santa Casa. Isto é necessário porque, sem a certidão negativa de débitos (CND), o hospital não pode receber emendas diretamente.

O dinheiro precisa estar liberado até junho, quando começa o período eleitoral e a distribuição de emendas fica suspensa por força da legislação. Os valores, segundo Diego, serão destinados a melhorias no atendimento. O dinheiro não pode ser usado para o pagamento de dívidas, mas a compra de insumos e medicamentos, por exemplo, vai aliviar os cofres do hospital e permitir a redução do seu enorme passivo. 

  • Publicado na edição impressa de 19/01/2020
Sobre Sergio Fleury 5353 Artigos
Proprietário e Editor do Jornal Debate