Prefeito defende publicidade oficial nas, segundo ele, “cidades periféricas”

PROPAGANDA — Otacílio quer carros de som em cidades onde ha Univesp

Otacílio Parras disse que gastos com propaganda volante
em cidades vizinhas se explica em 
propagar o polo local
da “Univesp”, que também existe em toda a região

Sérgio Fleury Moraes
Da Reportagem Local

O prefeito Otacílio Parras (PSB) tentou justificar na semana passada a contratação de 2.340 horas de propaganda volante — ou mais de 97 dias ininterruptos de áudio — em Santa Cruz do Rio Pardo e em mais seis cidades da região. O município já firmou contrato com a única licitante e vai gastar R$ 54.400,00. Outras empresas criticaram o certame, alegando falha na divulgação. O edital foi publicado numa edição incomum do “Semanário Oficial” com mais de 200 páginas.

Há dez dias, ao ser questionada por escrito pelo jornal, conforme regra estabelecida pelo prefeito Otacílio para atendimento ao DEBATE, a secretaria de Comunicação alegou que a propaganda tinha como objetivo divulgar cursos da Fuvest — Fundação Universitária para o Vestibular —, que é responsável pelos exames da USP, que sequer existe em Santa Cruz do Rio Pardo.

No dia seguinte à edição do jornal, o secretário Cláudio Antoniolli explicou que provavelmente o corretor do programa de digitação Word mudou a palavra, já que o correto seria “Univesp” — Universidade Virtual do Estado de São Paulo —, cujo polo existe em Santa Cruz desde fevereiro de 2018.

Em pronunciamento na rádio Difusora na quinta-feira, 20, o prefeito Otacílio insistiu na mesma justificativa. Ele criticou empresas que enviaram preços para a elaboração do edital, não compareceram ao pregão e fizeram críticas nas redes sociais. “Disseram que não sabiam, mas outros afirmaram que não tinham interesse”, disse.

Ao defender os motivos para anunciar em carros de som nas ruas de Ourinhos, Espírito Santo do Turvo, São Pedro do Turvo, Ipaussu, Bernardino de Campos e Chavantes, Otacílio se referiu a estes municípios como “periferia de Santa Cruz” ou “municípios periféricos”.

“É importante esclarecer esta polêmica. Às vezes é necessário divulgar coisas de Santa Cruz nas cidades periféricas”, insistiu, citando “eventos de interesse turístico”. Em seguida, citou o polo da Univesp, que é um núcleo de ensino universitário a distância do Governo do Estado de São Paulo. “Nós implantamos este polo na gestão do governador Márcio França, com 60 computadores e uma coordenadora de ensino, que funciona na escola Sebastião Jacintho. São aqueles cursos que o pessoal paga e nós temos de graça em Santa Cruz”, afirmou. Segundo ele, o espaço é usado mais por alunos da região do que propriamente do município.

O prefeito afirmou que este “é o mais importante” argumento para a propaganda volante na região. “Nós precisamos divulgar fora de Santa Cruz porque, caso contrário, não se forma turma”, explicou. “Deturpa-se o fato e transforma uma coisa técnica em política. Em rede social, por exemplo, foi totalmente política, inclusive com uma das empresas [de propaganda volante] dizendo que vai apoiar o candidato de oposição”, disse Otacílio.

Univesp na região

As explicações do prefeito são controversas. Primeiro, porque a Univesp é uma entidade que pertence ao Governo do Estado. Em segundo lugar, existem polos da instituição em várias cidades da região, especialmente naquelas em que o prefeito vai pagar veículos para veicular propaganda volante nas ruas.

O site da Univesp, por exemplo, informa a existência de polos em Ourinhos, Ipaussu, Bernardino de Campos e Chavantes. O polo de São Pedro do Turvo aparece como “em instalação”, enquanto apenas Espírito Santo do Turvo ainda não possui um polo da Univesp.

Além disso, todos os cursos mencionados pelo prefeito como sendo “exclusivos” de Santa Cruz, na verdade também são oferecidos nos demais municípios. É o caso de licenciatura em Pedagogia, Engenharia de Computação.
Resta saber como será o comportamento das autoridades dos municípios vizinhos, quando ouvirem carros de som pelas ruas pedindo aos alunos que se matriculem em Santa Cruz do Rio Pardo e não em sua própria cidade. 

  • Publicado na edição impressa de 23/02/2020
Sobre Sergio Fleury 5534 Artigos
Proprietário e Editor do Jornal Debate