Contaminação avança em Santa Cruz com 30 casos e preocupa autoridades

Uso de máscaras passa a ser obrigatório para todas as pessoas a partir desta quinta-feira, 7

Preocupado, prefeito ameaça adotar
medidas drásticas e lamenta relaxamento
da quarentena pela população

Sérgio Fleury Moraes
Da Reportagem Local

A exemplo do que está acontecendo no País, que bate recordes seguidos de mortos, os casos de coronavírus deram um salto em Santa Cruz do Rio Pardo nos últimos dias. Em pouco mais de uma semana, o número de pacientes contaminados subiu de 12 para 30, ou mais de 100%. O total é o último levantamento da secretaria da Saúde, anunciado nesta quarta-feira, 6.

O agravamento da situação deve-se ao afrouxamento das medidas de isolamento social por parte da própria população. No Estado de São Paulo, existe a possibilidade da quarentena ser prorrogada por novo período. Há dias, o governador João Doria (PSDB) sinalizava uma abertura gradual a partir do próximo dia 11.

O prefeito alertou que, caso a situação continue a se agravar no município, ele poderá suspender até o transporte coletivo, que é realizado por ônibus da Codesan. Na segunda-feira, 27, Otacílio decretou o uso obrigatório de máscaras para funcionários e distribuição de álcool em gel a clientes de todos os estabelecimentos que estão autorizados a funcionar. Antes, a medida atingia apenas supermercados.

Na quinta-feira, um novo decreto determinou o uso de máscaras e equipamentos de proteção individual para todos os trabalhadores no transporte de passageiros, inclusive táxis e veículos de aplicativos. O descumprimento será punido com a suspensão das atividades.

A partir desta quinta-feira, 7 de maio, o uso de máscaras passa a ser obrigatório em todo o Estado – e para todas as pessoas -, de acordo com decreto do governador João Doria (PSDB).

Otacílio disse que pode decretar medidas mais duras para manter a quarentena

Para o prefeito Otacílio Parras (PSB), que é médico, não há dúvidas de que a população parece não se importar com o isolamento. “Isto é muito grave. Estamos falando há dias que, sem a melhora do isolamento, o governador não vai liberar a abertura gradual do nosso comércio”, afirmou.

Otacílio se refere ao plano do Estado de iniciar o afrouxamento das medidas restritivas a partir desta semana, de acordo com o índice de movimentação da população nos municípios. Ainda há muitas dúvidas se haverá realmente a reabertura gradual de todas as atividades, uma vez que a situação do coronavírus se agravou muito em São Paulo na última semana. Porém, cidades médias acima de 30 mil habitantes só seriam incluídas no abrandamento das restrições caso o índice de isolamento estivesse satisfatório.

Em Santa Cruz do Rio Pardo, de acordo com o prefeito, o que se vê são pessoas nas ruas e até algumas aglomerações. Ele alertou que muitos jovens estão promovendo festas e encontros, desobedecendo a recomendação de permanecer em casa. “Na verdade, estão levando a doença para suas casas”, afirmou, lembrando que nos últimos dias pelo menos seis mulheres contraíram o vírus.

O prefeito disse que administrar é tomar decisões, muitas vezes impopulares. “Estamos insistindo que a forma ideal de combater a epidemia é ficar em casa e ter cuidados com a higiene. Se por acaso os números se mantiverem elevados, vamos ter de proibir o ônibus circular”, anunciou.

E não é só. Otacílio alertou para o estrangulamento do setor de Saúde do município, caso a contaminação continue aumentando. Segundo ele, o SUS oferece cinco vagas de UTI da Santa Casa de Santa Cruz do Rio Pardo e todas já estão ocupadas por pacientes de covid-19.

Para o prefeito, ele poderá adotar medidas mais duras caso a população não permaneça em suas casas. “Por exemplo, os bares, que hoje são autorizados a funcionar sem consumo no local. Vemos que os proprietários e clientes não estão mais respeitando nada, inclusive com mesas nas ruas, o que é proibido. Outros, com portas abaixadas e vários clientes no interior do estabelecimento. Não queremos chegar a isto, mas podemos ser obrigados a fechar todos os bares”, advertiu.

Ele também se referiu a outros ramos de atividades — como materiais de construção, elétrico, autopeças e algumas lojas —, que precisam se conscientizar mais das medidas de controle sanitário e limitar o número de pessoas no seu interior. “Ou, então, seremos obrigados a fechar também estas lojas”, disse.

Otacílio disse que vai monitorar o aparecimento dos casos nos próximos dias antes de adotar medidas mais drásticas.

Emoção da cura

Renato, motorista do Samu: 25 dias na UTI e homenagem ao sair

A segunda-feira, 27, foi um dia especial para os funcionários e médicos da Santa Casa de Misericórdia. O motorista do Samu Renato Oliveira, 35, recebeu alta do hospital no início da tarde, depois de quase um mês respirando por aparelhos na UTI do hospital.

Renato foi praticamente o primeiro paciente confirmado por exames como positivo para o covid-19, mas seu estado de saúde se agravou muito. Ele chegou a ser colocado em coma induzido durante o tratamento.

Ao receber alta, Renato foi aplaudido pelos funcionários do hospital e, além disso, foi escoltado até sua residência pelos colegas do Samu. Ainda se recuperando do longo período na UTI, Renato mantém as visitas controladas, mas está livre do coronavírus.

  • Publicado na edição impressa de 03/05/2020 (COM ATUALIZAÇÃO)
Sobre Sergio Fleury 5838 Artigos
Proprietário e Editor do Jornal Debate