Missas ‘online’ ganham alta tecnologia

VIRTUAL — Padre Ademir aparece na gravação na capela do cemitério, mas, na verdade, ele estava na igreja Nossa Senhora Aparecida

Empresa de Santa Cruz, “TV Santa”
usa recursos para “transportar”
cenário a qualquer local da cidade

Sérgio Fleury Moraes
Da Reportagem Local

No início do mês, os católicos que acompanham as missas pelas redes sociais, já que as celebrações nas igrejas estão suspensas por conta da pandemia, se surpreenderam com a pregação do padre Ademir Leme em plena capela do Cemitério da Saudade. Na verdade, ele estava na igreja Nossa Senhora Aparecida, a quase três quilômetros do cemitério de Santa Cruz do Rio Pardo. O cenário inusitado é possível com um recurso da “TV Santa”, empresa de José Carlos Sales, o “Bodon”, especializada em gravações de imagens.

A “mágica” acontece graças ao programa “Chroma Key”, uma das novidades tecnológicas na produção de imagens. Segundo Sales, o sistema funciona através de um fundo verde neutro, onde são inseridas imagens de um outro local. O operador escolhe a imagem que vai ficar em primeiro plano, no caso o padre e as pessoas que participam da celebração religiosa.

TECNOLOGIA — Cenário na igreja precisa de fundo verde para o software…
…e um novo fundo é acrescentado

O desafio maior é que a “TV Santa” faz tudo isso ao vivo. “Pesquisei bastante e não encontrei nenhuma igreja do Brasil fazendo este tipo de transmissão ao vivo”, diz José Carlos Sales. Ele já havia utilizado a tecnologia numa formatura de alunos da escola infantil Oapec.

Na quarta-feira, 20, o padre Ademir Leme voltou a pregar nas redes sociais para os fiéis católicos. Ele estava na mesma Igreja Nossa Senhora Aparecida, mas as imagens mostraram a capela da Santa Casa de Misericórdia. A celebração foi especial, para os profissionais da saúde que atuam na linha de frente contra o coronavírus.

A nitidez das imagens dá muita veracidade às gravações. “Muitos fiéis pensaram que nós estávamos mesmo no cemitério ou na capela da Santa Casa, inclusive alguns padres de Santa Cruz”, conta José Carlos.

De fato, a missa online ganha características de superprodução. Na simulação do cenário do cemitério, por exemplo, na missa pelas mães falecidas, até o cantor Marco Ramos apareceu tocando violão num dos cantos da capela. Estava, na verdade, na igreja de Nossa Senhora Aparecida. Na Santa Casa, o canto do ato penitencial esteve a cargo de uma mulher que “estava” na porta da capela do hospital, perto do corredor e da escada que dá acesso ao andar superior.

José Carlos Sales pretende gravar missas ao vivo tendo como cenários a rua Conselheiro Dantas, em pleno setor comercial, o asilo “São Vicente de Paulo” e outros locais, todas, na verdade, realizadas numa igreja. “Ainda estou pesquisando outros locais”, explicou.

Tudo é possível graças ao sistema “Chroma Key”. A “TV Santa” já usou a tecnologia em eventos particulares, como uma formatura de alunos da Oapec e numa palestra sobre Libras na cidade de Campinas. Além disso, fez a abertura dos Jogos Universitários da Unitoledo, em Araçatuba.

A “TV Santa” surgiu em 2015, quando fez a primeira transmissão de uma missa para doentes na Santa Casa de Santa Cruz do Rio Pardo. A empresa também faz eventos especiais para empresas, gerando imagens direto nas redes sociais.



MP convence bispo a
não reabrir as igrejas

O bispo de Ourinhos, dom Salvador

Abertura havia sido
comunicada às paróquias

O bispo de Ourinhos, dom Salvador Paruzzo, voltou atrás na determinação da Diocese de Ourinhos de reabrir as igrejas católicas neste final de semana. A nova posição foi comunicada a todas as paróquias após uma reunião do bispo com o promotor Adelino Lorenzetti sobre a necessidade de manter os templos fechados durante a pandemia do coronavírus.

Dom Salvador havia autorizado a reabertura das igrejas com base num decreto do presidente Jair Bolsonaro. Em São Paulo, porém, há um decreto do governador João Doria que proíbe a aglomeração de pessoas em templos religiosos.

Assim que a decisão do bispo chegou aos municípios da diocese, os padres das respectivas paróquias começaram a anunciar aos católicos a reabertura das igrejas a partir de ontem. O comunicado dizia que a presença do fiel não era obrigatória — “sem prejuízo de estar em estado de pecado”. No entanto, os religiosos determinaram o uso de máscaras e seguir as orientações do governo.

O anúncio do bispo preocupou autoridades. Na quinta-feira, 21, o promotor Adelino Lorenzetti foi recebido por dom Salvador Paruzzo e alertou sobre o risco da medida. “Após franco diálogo e uma conversa em alto nível, o líder religioso entendeu as ponderações do Ministério Público e reconsiderou a sua decisão”, explicou uma nota pública do promotor. Segundo ele, o bispo entendeu que a reabertura das igrejas só será possível “em momento mais adequado e seguro”.

  • Publicado na edição impressa de 24/05/2020
Sobre Sergio Fleury 5970 Artigos
Proprietário e Editor do Jornal Debate