Casos de covid-19 sobem para 69 e Otacílio sugere que cultos estão liberados

Otacílio disse que cultos continuam proibidos, mas que o município não tem meios de intervir

Dos cinco pacientes na UTI,
um está em estado gravíssimo

Sérgio Fleury Moraes
Da Reportagem Local

De sexta para sábado, 30, Santa Cruz do Rio Pardo registrou um crescimento de 10% no número de casos de pacientes confirmados de covid-19. Foi o próprio prefeito Otacílio Parras (PSB) que anunciou o alerta, em sua “live” diária pelas redes sociais. No sábado, havia 69 casos confirmados na cidade. O fato que chama a atenção é que há 11 pacientes internados, cinco deles na UTI. Um deles está respirando por aparelhos e, segundo Otacílio, seu estado é “gravíssimo”.
O aumento dos casos assusta porque o comércio reabre as portas a partir desta segunda-feira, 1º de julho. “É exagerado o que aconteceu. Hoje, passando pelo comércio, vimos as ruas animadas e as portas entreabertas. Espero que na segunda-feira as lojas orientem melhor seus clientes”, afirmou.
Para Otacílio, a população precisa ter mais critério e cuidado com a saúde e a própria família. “Temos cinco casos na UTI e um deles gravíssimo”, alertou. “Não vamos imaginar que está tudo normal. A doença existe e está começando a aumentar em número neste momento”, afirmou.
O prefeito, que é médico, avalia que a população “deixou de ter medo” pelo fato do município não registrar, desde o início da pandemia, mortes. “Não é para ter medo. É para ter cuidado e evitar a doença, saindo de casa somente quando necessário”, disse.
Ele explicou que as pessoas que forem às lojas, devem evitar tocar nos produtos. “Ninguém deve se esquecer de fazer a assepsia das mãos nas portas dos estabelecimentos, onde deve ser distribuído álcool em gel para todos os clientes”, explicou.
Os últimos números indicam que Santa Cruz atingiu 283 notificações, sendo 69 positivos, 197 negativos e nenhum óbito. Há 50 pacientes de coronavírus recuperados.

‘Caso gravíssimo’

Na noite de sexta-feira, 28. um comerciante — que já estava internado na Santa Casa — foi transferido para a UTI. O estado dele é muito grave, respirando por aparelhos.
Amigos e familiares reclamam que o paciente estava num quarto, ao lado de outros suspeitos de contaminação. O primeiro exame rápido deu negativo, mas somente dias depois da internação no hospital é que um novo teste registrou positivo para covid-19.
Há suspeita de que o paciente possa ter contraído a doença no próprio hospital. O ex-secretário de Saúde, Diego Singolani, disse que até sexta-feira não havia um diagnóstico do paciente. “Dos três suspeitos que estavam no mesmo quarto, o estado dele era o mais próximo de covid-19. O problema é que o teste rápido só é confiável depois de oito dias”, explicou.
Segundo as autoridades, somente o teste do instituto Adolf Lutz vai confirmar o diagnóstico do comerciante de Santa Cruz do Rio Pardo.

  • Publicado na edição impressa de 31/05/2020

Prefeito sugere que
cultos estão liberados

Otacílio disse que cultos estão
proibidos, mas não tem como proibir

SEGUNDA-FEIRA, 1º     Em sua “live” diária nas redes sociais, o prefeito Otacílio Parras disse que não tem como proibir a realização de cultos evangélicos em Santa Cruz do Rio Pardo. “Sabemos que algumas igrejas evangélicas, de pequeno porte, são realizando cultos. Mas não vamos chamar a polícia para intervir em algo religioso. Apenas pedimos aos pastores que façam os cultos de acordo com as regras do Ministério da Saúde”, explicou.

Segundo Otacílio, os fiéis devem ficar a dois metros de distância de outro, que o ambiente esteja totlamente aberto e arejado e que não tenha ventilação articial, como ar condicionado. Além disso, as cadeiras devem estar higienizadas e o álcool em gel seja distribuído entre o público. O prefeito também disse que os cultos devem ter horário para começar e terminar, sem atrasos. “Terminou, cada um para sua casa”, afirmou.

Otacílio também recomendou que os sanitários sejam evitados. “Todos devem ser orientados a fazer suas necessidades pessoais em suas casas antes de ir para a igreja”, disse. Para o prefeito, os sanitários devem permanecerem fechados com chave.

“Estou dizendo isto porque sei que estão fazendo cultos e que isto não é permitido. Mas se estão fazendo, que o façam de uma forma que proteja os fiéis”, afirmou. Otacílio alertou que no Rio Grande do Sul uma única pessoa contaminada espalhou o covid-19 para outras 100 pessoas na mesma igreja.

Sobre Sergio Fleury 5969 Artigos
Proprietário e Editor do Jornal Debate