Ricardo se recusa a depor na CPI

O empresário Ricardo Simões, durante entrevista à TV San, na porta da Câmara de Ourinhos, na quinta-feira

Motivo foi a presença de um advogado que representa o secretário de Finanças

 

André Fleury Moraes
Da Reportagem Local

O empresário Ricardo Xavier Simões se recusou a depor à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que apura um suposto esquema de extorsão por parte do prefeito Lucas Pocay (PSD) e de seus aliados políticos. O depoimento estava marcado para a quinta-feira, 18.

O motivo da recusa foi a presença de um advogado que representa o secretário de Finanças Osvaldino Araújo — um dos principais acusados na denúncia. Durante a sessão, o advogado estaria autorizado a fazer questionamentos a Ricardo.

O depoimento estava marcado para as 9h de quinta-feira. Ricardo teria chegado uma hora antes. Chamado ao plenário, porém, não compareceu.

Segundo informações do jornal Biz, de Ourinhos, o empresário chegou a entrar no recinto da Câmara. Mas quando o presidente da CPI, o vereador Cícero (Republicanos), pediu para que Ricardo se sentasse, ouviu a recusa.

Simões teria dito a repórteres que acompanhavam o caso em frente ao prédio que a presença do advogado no local seria ilegal. O presidente da comissão, porém, não concordou. “A lei assegura o direito da presença do advogado de defesa de Osvaldino, que é citado na denúncia”, afirmou Cícero, segundo o Biz.

O cenário legislativo de Ourinhos tem sofrido reviravoltas desde que a denúncia do empresário à Polícia Federal foi tornada pública — através de reportagem do DEBATE, já que o inquérito na PF tramita em segredo de Justiça.

Vereadores aliados ao prefeito Lucas Pocay chegaram a suspender a comissão durante uma semana, mas a decisão foi derrubada por um mandado de segurança impetrado pelo vereador Edvaldo Lúcio Abel, o “Vadinho” — que corre o risco de ser cassado após a divulgação de um áudio inaudível e que sequer foi periciado.

A gravação — pela qual não é possível concluir nada – foi divulgada por um site governista ligado à prefeitura de Ourinhos, da qual já recebeu, aliás, R$ 25 mil somente no primeiro trimestre, apontou um levantamento do jornal Negocião. 

 

  • Publicado na edição impressa de 21 de junho de 2020