Prefeito suspende obra em monumento

Praça foi abandonada há anos e monumento serve como depósito de lixo

Mudança da escultura histórica havia sido autorizada para empresário instalar um contêiner de lanches numa praça do centro

 

Sérgio Fleury Moraes
Da Reportagem Local

O prefeito Otacílio Parras (PSB) recuou, ao menos por enquanto, da autorização que concedeu a um comerciante para mudar o monumento histórico que existe na praça José Eugênio Ferreira, conhecida como “Expedicionários”. A informação está numa nota emitida ao jornal na tarde de sexta-feira, 25. Ele determinou a paralisação da obra e informou que está “analisando a questão” para tomar alguma providência. A alteração na praça, cuja obra ficaria a cargo de um comerciante, foi noticiada pelo jornal há duas semanas.

Otacílio autorizou a mudança porque o comerciante da praça — transformada há muitos anos em “lanchódromo” — retirou seu trailer para instalar um contêiner de 12 metros. O empreendimento só seria possível com a retirada do monumento aos “pracinhas” santa-cruzenses que lutaram na Itália durante a Segunda Guerra Mundial.

O próprio comerciante explicou que iria construir uma réplica do monumento num dos cantos da praça, já que a retirada do original é muito difícil.

Neste caso, a escultura inaugurada em janeiro de 1968 pelo ex-prefeito Carlos Queiroz seria destruída. A notícia provocou polêmica nas redes sociais, com críticas à atitude do prefeito. Há informações de que o assunto chegou ao Ministério Público, que teria determinado a abertura de um inquérito civil para apurar os fatos e as responsabilidades.

Na semana passada, em entrevista à rádio Band FM, Otacílio explicou que não autorizou a destruição do monumento original. “É para retirá-lo com um guincho e não construir um outro”, disse.

Irritado, o prefeito disse que agora vai analisar a retirada de todos os comerciantes do local para revitalizar de vez a praça “Expedicionários”. Otacílio disse que tomaria uma decisão até o final da semana, depois de receber informações sobre a existência de cadastros ou alguma autorização para a instalação dos trailers naquela praça. Indagado sobre para qual local os comerciantes iriam, caso sejam despejados, o prefeito declarou: “Ora, para suas casas”.

Na entrevista à rádio, Otacílio Parras contou que descobriu, logo após tomar posse, que havia uma espécie de “esquema” envolvendo “espertalhões” nas administrações anteriores, que negociavam ou alugavam irregularmente trailers em espaço público.

A reportagem indagou, através da pasta de Comunicação, se houve alguma sindicância para apurar a denúncia de Otacílio. Não houve resposta.

 

  • Publicado na edição impressa de 26 de julho de 2020