Igrejas intensificam higienização

O recinto interno da igreja Nossa Senhora de Fátima, horas após ser limpa com produtos especializados (Foto: André Fleury)

Objetivo é proteger ainda mais os fiéis, diz o frei Bruno Moreira; o chão do recinto chega a refletir raios solares

 

As igrejas de Santa Cruz do Rio Pardo têm adotado novos hábitos de higiene para proteger seus fiéis de um eventual contágio pelo novo coronavírus. Os bancos, por exemplo, ganharam marcações de onde se é permitido sentar. A capacidade, naturalmente, foi reduzida.

Segundo o frei Bruno Moreira, que está à frente do Santuário Nossa Senhora do Rosário de Fátima, um dos maiores templos católicos de Santa Cruz do Rio Pardo, nos minutos que antecedem qualquer atividade religiosa o chão e bancos já são limpos.

A igreja, nas duas horas seguintes à celebração das missas, é fechada para que os produtos possam ter efeito. Funcionários usam até máquinas especiais para limpeza do chão e dos bancos.

Na entrada também há tapetes sobre os quais os calçados devem passar. O chão, de tão limpo, chega a brilhar. “É uma limpeza em maior escala”, diz Bruno.

Dias atrás, quando as atividades internas ainda não estavam permitidas, o Santuário promoveu uma missa “drive-in”, na parte de fora do prédio, para onde os fiéis se dirigiam e estacionavam. As celebrações continuam sendo transmitidas pela “TV Santa”, cujas imagens são disponibilizadas nas redes sociais. As catequeses permanecem suspensas.

As celebrações religiosas foram autorizadas a voltar em junho. No entanto, os católicos ainda permaneceram um período sem as missas por conta da pandemia. Hoje, é preciso agendar presença para participar das celebrações, cujas presenças foram reduzidas.

  • Publicado na edição impressa de 26/07/2020