Governistas tentaram ‘cooptar’ tucanos

Adriano Lopes, assessor do deputado Mauro Bragato, confirmou que o prefeito tentou alijar o PSDB para a coligação governista

Sérgio Fleury Moraes
Da Reportagem Local

Embora elogiasse o governo de Otacílio Parras durante discurso na convenção que o lançou candidato a prefeito, Luciano Severo não deixou de criticar a tentativa do grupo ligado à administração de cooptar o PSDB para o outro lado. “Até ontem [segunda-feira, 14], isto ainda estava sendo tentado”, citando o assessor do deputado Mauro Bragato — Adriano Roberto Lopes, presente na convenção — como fonte da informação. “Houve pressão até junto ao governo do Estado, mas isto foi rechaçado”, disse.

Severo também disse que não aceita a pecha de “traidor”, dirigida a ele pelo deputado federal Capitão Augusto (PR). “Na verdade, foi ele quem me introduziu na política, mas ao longo da campanha em que eu disputei o cargo de deputado estadual, ele já estava apoiando outro candidato. “Se houve traição, não foi do nosso lado”, disse. Segundo Severo, Capitão Augusto queria que ele conseguisse recursos financeiros exclusivos para a campanha dele, através de empresários de Santa Cruz. “Eu abominei esta atitude”, afirmou.

A escolha de uma pastora evangélica como candidata a vice, segundo Severo, pode ter sido “um sinal de Deus” que o incentivou a prosseguir na campanha com mais força. Ele repetiu várias vezes que há nenhuma incompatibilidade entre religiões. “Somos cristãos”, lembrou. Aliás, a convenção levou à Câmara vários líderes religiosos de Santa Cruz.

O vereador disse que está observando uma série de obras da atual administração neste final de governo, provavelmente para alavancar o candidato governista, mas garante que isto não o assusta. “O povo está cada vez mais inteligente e interessado na política. Assim, enxerga perfeitamente estas coisas, especialmente obras que não foram realizadas em sete anos e estão sendo concluídas agora”, disse.

 

  • Publicado na edição impressa de 20 de setembro de 2020