‘Genésio Boamorte’ é a 3ª melhor escola em mostra do governo de São Paulo

Projetos foram coordenados pelos professores da escola de Santa Cruz do Rio Pardo

Escola de Santa Cruz do Rio Pardo ficou entre as três melhores entre 5 mil instituições estaduais

 

Sérgio Fleury Moraes
Da Reportagem Local

A Escola Estadual “Genésio Boamorte”, de Santa Cruz do Rio Pardo, foi a terceira colocada em duas categorias do “Inova Educação”, um movimento coordenado e promovido pelo governo do Estado de São Paulo. Os alunos da escola disputaram com mais 5.000 escolas paulistas e conseguiram o feito nas modalidades “Mostra Interativa de Robótica e Computação Criativa” e “ Ciências da Natureza”, que fez parte da “Feira de Ciências das Escolas Estaduais de São Paulo”.

O resultado saiu na sexta-feira, 23, e professores e alunos comemoraram a conquista ao lado do diretor Elton Simão. De acordo com Simão, há uma nova metodologia na “Genésio Boamorte”, que tem como base o protagonismo juvenil e o desenvolvimento do projeto de vida dos alunos.

“Tudo o que acontece na escola, cujo ensino é integral, é feito de uma maneira que envolva o aluno e que ele se sinta acolhido. Afinal, o protagonista do ensino é o próprio aluno, que deve ser motivado por meio de uma participação total em todos os projetos da escola”, disse.

Aluno da Boamorte faz experimento

Na categoria “Mostra Interativa de Robótica e Computação Criativa”, os alunos João Vitor Frutuoso Martins e Livia Theresa dos Reis Alves desenvolveram um protótipo de horta orgânica econômica. O projeto mostrou uma horta irrigada por meio do reaproveitamento da água de um aquário, o que demonstra a viabilidade da utilização de um água rica em nutrientes para o consumo de hortaliças de qualidade.

O projeto teve a orientação das professoras Elaine Cristina Carnavale Pilati e Eliane Regina Turcato Orlando. Para tanto, foi construída uma estrutura adequada, inclusive uma bomba e todo o processo de condução da água. Levou o terceiro lugar no Estado.

Na categoria “Feira de Ciências”, os alunos Maria Eduarda Melo de Souza e Guilherme Peres Santos desenvolveram um repelente orgânico à base de citronela. Eles levaram em conta a estrutura da escola, os materiais disponíveis e as regras estabelecidas pelo Ministério da Saúde durante a pandemia.

Os alunos tiveram a orientação da professora Karina Ziglio Saqueti Biazoti e coordenação das professoras Débora Cristina Corrêa de Souza Lara e Juliana Ribas, das disciplinas de Química, Ciências e Biologia.

O projeto é sustentável e consiste num destilador de arraste caseiro, fabricado a partir de um botijão de gás de dois quilos. Tudo é acoplado a uma serpentina de cobre e, após a extração do óleo de citronela, acrescenta-se óleo de coco para garantir hidratação à pele dos usuários. Foi o terceiro colocado em todo o Estado no “Inova Educação” de 2020.

Neste ano, o “Inova Educação” foi realizado de forma online, através de vídeos. O diretor Elton Simão ainda não sabe quando a escola “Genésio Boamorte” vai receber os prêmios, que também virão em forma de tablets para uso dos alunos. “Por enquanto, estamos festejando a nossa conquista”, disse.

  • Publicado na edição impressa de 25 de outubro de 2020
Sobre Sergio Fleury 5970 Artigos
Proprietário e Editor do Jornal Debate