Diego não terá problemas com a nova Câmara, ao menos no início

Diego faz o juramento como novo prefeito de Santa Cruz

Ao menos nos primeiros meses da nova legislatura, o prefeito Diego Singolani deve contar com forte apoio dos vereadores

 

Sérgio Fleury Moraes
Da Reportagem Local

Os vereadores da legislatura que começou no feriado de 1º de janeiro tomaram posse junto com o prefeito Diego Singolani (PSD) e o vice Edvaldo Godoy (SD). Nove deles formam a bancada de apoio ao governo, enquanto outros quatro foram eleitos pela oposição. Apesar dos números amplamente favoráveis, Diego não deve ter nenhum problema de relacionamento com os demais vereadores, ao menos nos primeiros meses de governo.

O eleitor santa-cruzense votou pela renovação da Câmara e, das 13 cadeiras, nove serão ocupadas por vereadores novos. No entanto, logo após a posse haverá mudanças porque o prefeito Diego Singolani nomeou dois vereadores para o seu secretariado. Um deles é Adriano Campanha, eleito pela primeira vez e que vai se afastar da Câmara logo após a posse.

Assim, dois vereadores não reeleitos devem assumir suas cadeiras no início do governo. Os suplentes Marco “Cantor” Valantieri (PL) e João Marcelo Santos (PSD) retomam suas cadeiras enquanto Adriano e Milton de Lima (PL) — o novo secretário de Agricultura — permanecerem no secretariado de Diego.

Dos quatro eleitos pela oposição, o único vereador que pode dar algum incômodo ao prefeito é Juninho Souza (Republicanos). Ele foi o mais votado dos candidatos que não pertencem ao grupo governista e ficou conhecido pelos vídeos publicados nas redes sociais, onde denuncia reclamações populares e falhas do governo.

Porém, ao menos nos primeiros meses da nova administração, Juninho deve manter uma certa cautela.

Paulo Pinhata (PTB), o atual presidente, tem receio de confrontar o novo governo e deve, inclusive, tentar uma aproximação com o prefeito Diego Singolani nos primeiros meses.

“Tio Carlinhos”, eleito pelo PSL, é uma incógnita. Ele teve os votos de uma ala da Igreja católica, mas não tem o perfil de oposicionista aguerrido.

Assim, o grupo do prefeito Diego já avalia que o maior obstáculo na Câmara pode ser o vereador Fernando Bitencourt (Podemos). Ele foi secretário de Otacílio Parras entre 2017 e 2018 e responsável pela implantação da Univesp em Santa Cruz, a universidade virtual do governo de São Paulo. No entanto, deixou o governo rompido com Otacílio Parras. Não se sabe como será o relacionamento entre o prefeito Diego e o vereador Bitencourt.

Quanto foi reeleito em 2016, Otacílio tinha o apoio de praticamente todos os 13 vereadores, sendo apenas dois da oposição. Porém, terminou o mandato com apenas sete vereadores fiéis ao governo. Mas Diego não é Otacílio. 

 

  • Publicado na edição impressa de 1º de janeiro de 2021