Francis Pignatti: ‘O que desejo para você?’

O que desejo para você?

 

Francis Pignatti do Nascimento *

Neste último dia do ano de 2020 penso no que posso desejar para você em 2021. Não desejo a você um ano maravilhoso, onde tudo é bom, este pensamento é utópico e não combina com a realidade da vida adulta. Entendo como é importante ter pensamentos positivos e conseguir sobreviver frente todos os desafios dolorosos que a vida nos apresenta. Não se deixe abalar pelos tempos difíceis, tire deles boas lições que o façam crescer.

Quero desejar para você o encorajamento necessário de se olhar e se amar como você é. Tenha amor próprio para travar as muitas batalhas e entendimento para compreender que nem sempre se ganha, nem sempre se perde. Não posso me silenciar neste último dia de 2020 e deixar de reforçar alguns temas relevantes que foram abordados ao longo deste ano. A violência contra as mulheres (feminicídio); A questão do racismo, nada justificando a violação do direito das pessoas por questões de cor da pele; O meio ambiente! Será que é tão difícil cuidar individualmente do planeta? Não estou lhe pedindo para plantar uma árvore! Estou falando do comportamento mínimo de “jogar o papel de bala no lixo corretamente”. São pequenas mudanças que contribuirão com o melhoramento de toda coletividade.

Quero desejar que você entenda que existem realidades que não podem ser modificadas. Aceitar isso não significa que você é fraco, quero te dizer que este comportamento te fará mais forte e mesmo com todas as adversidades da vida o importante sempre será continuar forte aos novos desafios. Já dizia Cazuza: “o tempo não para”. Conscientemente ou inconscientemente somos todos pensantes. Eu desejo que você seja feliz, seja qual for a dura realidade que tenha que viver ao longo deste 2021. A felicidade de mais um ano para viver.

* Francis Pignatti, Tabelião de Notas e Oficial do Registro Civil das Pessoas Naturais de Ribeirão do Sul e Salto Grande-SP. Mestre e Doutorando em Ciência Jurídica pela UENP de Jacarezinho-PR

  • Publicado na edição impressa de 1º de janeiro de 2021