São Benedito terá uma nova praça, com motivos religiosos

CERCO — Projeto não exclui a possibilidade de a paróquia São Benedito ser fechada por grades, tal como aconteceu com a igreja Matriz

Projeto inclui temas religiosos, com jardins
e imagens; espaço pertence à própria Igreja

Praça é frequentada por moradores de rua

Sérgio Fleury Moraes
Da Reportagem Local

A maior igreja católica de Santa Cruz do Rio Pardo vai ganhar uma nova e imponente praça. A paróquia de São Benedito, cuja sede é na praça Octaviano Botelho de Souza, está concluindo os estudos para a reforma da praça, cujo projeto está a cargo do arquiteto Mário Sérgio Silva. Uma reunião na próxima semana, que será coordenada pelo padre David Antonio da Silva, vai discutir os últimos detalhes da reforma, que ainda não tem data para começar. “Depende do caixa da igreja, mas acho que não vai demorar muito”, avaliou o arquiteto Mário Sérgio.
Na verdade, a praça pertence à Igreja Católica, inclusive com escritura pública lavrada em cartório. Este fato remonta ao século XIX, quando houve a doação das primeiras terras para a formação do povoado de Santa Cruz do Rio Pardo. O fazendeiro Manoel Francisco Soares, um dos fundadores da cidade junto com o padre João Domingos Figueira, doou 100 alqueires de terra sob a invocação de santos da igreja, o que era comum na época.

Cúpula que representa a sagrada família será reformada e vai mudar de lugar
NOVO ESPAÇO — Reforma pretende mudar a cúpula da Sagrada Família de lugar e revitalizar o piso; arquiteto afirma que banca e pontos de táxi poderão ser retirados

Com o passar dos anos, porém, a cidade cresceu, uma Câmara Municipal foi instalada e a igreja se viu incomodada com os políticos doando as terras para grupos e famílias. Um grande acordo, então, foi elaborado com a participação do Poder Judiciário. A Igreja concordou em doar os lotes para todos aqueles que já estavam de posse deles e, em contrapartida, ficou com todas as áreas onde seriam instaladas igrejas. Por isso, ao contrário de outras cidades, as principais praças com templos católicos em Santa Cruz pertencem, de fato e de direito, às respectivas paróquias. A praça Pedro César Sampaio, por exemplo, onde fica a Igreja Matriz de São Sebastião, foi cercada pela legítima proprietária: a própria Igreja.
A paróquia de São Benedito possui uma das mais exuberantes igrejas de toda a região, inclusive sendo maior do que a catedral de Ourinhos. A construção do novo templo começou há quase 20 anos, pelas mãos do saudoso padre Esdras Moraes. A obra foi continuada pelo atual, padre David, e entregue à comunidade em 2010. O curioso é que o arquiteto Mário Sérgio Silva também foi o responsável pelo projeto do templo católico e, agora, foi convocado para planejar a nova praça.

A imponente igreja de Santa Cruz vai ganhar uma praça à altura

Há dois anos, a Matriz de São Benedito começou a receber a pintura, só possível através de um guindaste que levou pintores a quase 30 metros de altura. O toque final do espaço católico, porém, seria a revitalização da praça.
Segundo Mário, a praça será totalmente modificada, com acessibilidade total. “Será um espaço com motivos cristãos. Teremos várias imagens, um local para eventos da igreja, as estações para adoração da Via Sacra e até um jardim de São Benedito. É um projeto que realmente ficou muito bonito”, disse.
O arquiteto revelou que há planos da paróquia para fechar a praça durante à noite. Isto já aconteceu no entorno da Matriz de São Sebastião porque o local estava sendo frequentado por usuários de drogas e casais de namorados, segundo alegou na época o antigo pároco, frei Edmilson Oliveira. “Realmente a paróquia não descarta esta possibilidade. Aliás, meu projeto permite este tipo de mudança, pois há estruturas de arcos de ferro que, numa eventualidade, podem completar uma futura grade. Na verdade, será uma praça muito bonita para se deixar ao léu”, explicou.
A cúpula que existe na praça, representando a sagrada família, deverá ser reformada e colocada em outro lugar na praça. Todo o piso será trocado, usando-se o sistema “intertravado”, de apelo ecológico, com desenhos em cimento e espaços para a água penetrar no subsolo. Mário Sérgio disse que o projeto também espalhou jardins em vários cantos, sempre com elementos religiosos.
No entanto, apesar da grandiosidade do projeto, ainda existem alguns problemas para discutir, como a continuidade de uma banca de jornais e ponto de táxi na praça. Segundo Mário Sérgio, a questão será discutida pelos paroquianos, mas ele defende a retirada. “Em princípio, meu projeto não contempla estes espaços. Afinal, não é justo um comércio particular de um movimento deste nível. No entanto, quem vai decidir isto é o padre e o bispo d. Salvador Paruzzo”, afirmou.

  • Publicado na edição impressa de 04/08/2019
Sobre Sergio Fleury 4750 Artigos
Proprietário e Editor do Jornal Debate