Beto Magnani: ‘A sinuca’

HISTÓRIAS DO MAGÚ

A sinuca

Beto Magnani
Da Equipe de Colaboradores

Foi a última tacada. Estavam pela bola oito. Ela esmurrou a mesa quando a bola branca caiu. Perdeu. Tinha mais de sessenta com certeza. Mulher exuberante, vistosa. Pegou sua bolsa e saiu. O adversário, um senhor também com mais de sessenta, vestiu o paletó com ar vitorioso antes de pegar um pedaço de giz na mesa e colocar atrás da orelha. Saiu também.
— Esse vai pro puteiro. — falou o anão ao meu lado que também acompanhava a partida de Sinuca.
— Como você sabe? — perguntei, não resistindo à conversa.
— Pelo giz atrás da orelha. É pra quando chegar em casa a esposa achar que ele esqueceu sem querer o giz ali. Aí a mulher vai perguntar onde ele estava só pra ter certeza se ele vai responder a verdade dizendo que veio no bar jogar sinuca. Aí ele vai responder brincando que estava no puteiro e a mulher vai rir com orgulho do marido brincalhão.
— Nossa, sua imaginação vai longe.
— Tô falando sério. Essa é velha. Sabia dessa não? Todos os dias levam giz daqui.
— Sabia não.
— Aquele senhor só vai ao puteiro quando tá nervoso. Conheço. E hoje ele tá bem nervoso. Só não piorou porque ganhou o jogo. E é difícil ganhar daquela senhora. Ela mestre. Profissional.
— Percebi. Por que será que ele tá nervoso?
— Não posso garantir, mas acho que está sendo cobrado.
— Dinheiro?
— Também. Parece que ficou desempregado recentemente. Esse tinha tudo, estava com a vida feita. Mas as coisas mudaram e tudo indica que vai piorar ainda mais.
— Pois é.
— Além disso, ele tem um grande líder que só faz cagada. Segundo o próprio, dia sim dia não.
— Melhor que todos os dias. — comentei sem entender exatamente o que ele estava falando.
— Parece que só agora descobriu que foi justamente por causa do seu líder que ele foi demitido. Não tinha entendido ainda que o cara é um idiota. Antes ele acreditava no líder, defendia com unhas e dentes, mas agora tá envergonhado. Não tá mais conseguindo defendê-lo depois que percebeu que se trata de um incapaz. Não sabe onde enfia a cara. Hoje em dia, quem defende o seu líder ou é maluco ou é ignorante, não tem outra opção.
— E você acha que aquele senhor é maluco ou ignorante?
— É covarde, parou de defendê-lo. Só que não assume o erro, prefere fica quieto.
— Pois é.
— E todos nós vamos pagar o preço das cagadas do seu líder.
— Sim.
— E o preço vai ser alto. Pra todos, não só pros anões como eu.
O anão riu sozinho da própria piada e foi ao banheiro.
Eu peguei um taco, passei giz e derrubei a bola oito que sobrou na mesa. Ninguém viu minha proeza. Fui à lotérica. (Magú)

  • Publicado na edição impressa de 25/08/2019
Sobre Sergio Fleury 4589 Artigos
Proprietário e Editor do Jornal Debate