Beto Magnani: A HEROÍNA

HISTÓRIAS DO MAGÚ

A HEROÍNA

Beto Magnani
Da Equipe de Colaboradores

— Todos os dias acordo com um poder diferente. Abro o olho e fico tentando descobrir qual o poder da vez. Demora um tempo pra descobrir. Tento saber antes de chegar na escola pra não acontecer nenhum incidente. Às vezes acontece. Outro dia fui pegar um lápis no estojo e ele derreteu com o meu toque. Na semana passada eu atravessei a quadra em um segundo na educação física. Muito rápida. Teve uma vez que soltei teias igual ao homem aranha. Só descobri na aula de balé, quando fiz uma coreografia em que eu jogava as mãos pra cima. Foi teia pro teto todo. Um dia voei, mas ninguém viu. E um dia fiquei muito forte. Levantei a geladeira de casa com uma mão só. Mas também ninguém viu. Fiquei invisível no mês passado. Ninguém viu de novo, claro. Quando ganho um poder fico pensando em quais super vilões conseguiria derrotar naquele dia. Me sinto bem. Muito bem. Uma vez meu pai atropelou um Veado que atravessou a estrada na frente do carro. Juntou um monte de gente. O Veado ficou se debatendo. Tinha um velho que queria acabar de matar pra comer assado. Eu saí do carro, cheguei bem perto e apontei a palma da mão direita para o ferimento do bicho. Ele sarou na hora e saiu correndo. Disparado. Todo mundo ficou impressionado. Eu, meu pai e minha irmã fomos embora como se nada tivesse acontecido. O velho que queria matar o Veado ficou xingando a gente na beira da estrada. Só tem um poder que repete todos os dias: converso com os pássaros. Minha mãe deixa frutas e semente de girassol pra eles virem comer. Converso com todos. O Pardal é o mais chato, chega espantando todo mundo pra comer sozinho. E só sabe falar mal do Bem-te-vi. Todo mundo acha que o Bem-te-vi só fala bem te vi, mas ele fala um monte de coisa com as mesmas palavras. E coisas sábias. Os Periquitos são tranquilos. Divertidos. Contam histórias engraçadas. As maritacas são tremendas fofoqueiras e morrem de inveja do Beija Flor, que é o mais fofo. Fica voando parado na minha frente, a um palmo do meu nariz. Temos longas conversas sobre a vida. A Rolinha e a Pomba são umas coitadas. Não se interessam por nada além delas mesmas. Outro dia apareceu um Tucano com dois filhotes. Foi uma vez só. Disse que tinha ouvido falar de mim e queria mostrar um filhote de gente pros filhos. O sabiá é muito carinhoso comigo…
Eu caminhava atrás da menina que narrava seus poderes diários a uma mulher que provavelmente acabara de busca-la na escola. Não resisti, escutei. De repente ouvi um barulho atrás de mim. Olhei e não era nada. Quando virei para frente as duas já não estavam mais. Teletransporte; com certeza o poder do dia era o teletransporte. Com direito a acompanhante. Queria ter ido junto para saber mais dos pássaros e da capacidade da menina de derrotar super vilões todos os dias, bastando descobrir qual é o poder que ganhou ao despertar. Pensei se de fato existe alguém realmente a fim de ser adulto nesse mundo. Continuei caminhando na mesma direção. Adulto. Fazer o quê? (Magú) 

  • Publicado na edição impressa de 13/10/2019
Sobre Sergio Fleury 4973 Artigos
Proprietário e Editor do Jornal Debate