Special Dog revitaliza Casa do Menor

Voluntários da Special Dog e da instituição reformaram as instalações e os brinquedos

Atividade com foco social foi a segunda realizada pelo
‘Projeto Cuidar’, lançado pela empresa no começo deste ano

André H. Fleury Moraes
Da Reportagem Local

A empresa Special Dog promoveu, na tarde de ontem, 26, o ‘Projeto Cuidar’, uma iniciativa que tem o objetivo de estimular o voluntariado corporativo como maneira de transformação da comunidade local. Desta vez, o local escolhido foi a “Casa do Menor Carente Adelina Aloe”, no bairro Itaipu, em Santa Cruz do Rio Pardo.
Pelo menos 80 pessoas se inscreveram no programa e, debaixo de um sol que beirou os 37ºC, realizaram reformas, manutenções e instalaram novos brinquedos na Casa do Menor.
A responsável pelo projeto, Priscila Manfrim Tavares, gerente administrativa da Special Dog, contou que o programa de voluntariado corporativo é uma ideia que a empresa planejava há tempos. Foi no ano passado que ela passou a ser estruturada.
Depois de lançado, em maio deste ano, o ‘Projeto Cuidar’ já realizou duas ações importantes para Santa Cruz. A primeira foi na escola “Frei José Maria Lorenzetti”, onde até um parquinho foi instalado pela empresa.
Na “Casa do Menor”, os voluntários realizaram programas de jardinagem, troca de todos os colchões das crianças e adolescentes e reformas de salas e móveis. Também foram pintadas as paredes da instituição e instalados novos brinquedos no parquinho para as crianças.
Além disso, ainda foi promovida uma oficina de auxílio na elaboração de currículos para que os menores de idade, especialmente aqueles que estão em fase de entrada no mercado de trabalho, possam ter maiores perspectivas de inserção.

Priscila coordena o programa

Na verdade, ontem foi apenas uma das etapas do projeto. “Como não é possível realizar todo o previsto em um só dia, um de nossos departamentos — de obras e pintura — começa já durante a semana. A ação de hoje, no entanto, foi planejada cerca de três meses atrás”, explica Priscila.
Todas as áreas onde o “Projeto Cuidar” atua devem ser muito bem estudadas previamente. Priscila conta que funcionários da empresa vão até o local meses antes para entender as suas reais necessidades. “Só depois é que podemos pensar no que fazer”, explica.
O sucesso da realização, segundo Priscila, se deve à organização do projeto. “Cada setor de atuação tem um líder, o que aumenta o foco dos trabalhos e, consequentemente, garante melhores resultados”, conta.
Um dos proprietários da Special Dog, Mário Manfrim, esteve na Casa do Menor durante a manhã e apresentou o projeto. Após a tradicional oração antes dos tgrabalhos, o prório Mário ajudou na revitalização do parquinho.

Cerca de 80 pessoas da empresa se juntaram aos voluntários do Centro

Trabalho social

Priscila Manfrim diz que uma das essências da empresa é a vontade de transformar a comunidade local e dar maior bem-estar à população. Por isso, a ambição é que o ‘Projeto Cuidar’ se amplie.
Por isso, segundo ela, novas atividades estão em fase de estudo. “Uma pessoa que fala inglês, por exemplo, pode se voluntariar para ensinar outras que não tiveram, ou não têm, a oportunidade de aprender. E assim queremos seguir com outras coisas, como aulas de violão”, explicou. 

  • Publicado na edição impressa de 27/10/2019
Sobre Sergio Fleury 5522 Artigos
Proprietário e Editor do Jornal Debate