Governo demite diretora Antiella e há risco de suspensão de projetos

A coordenadora e diretora do "Cras Betinha", que foi exonerada hoje pelo governo

Diretora e coordenadora do Cras implantou vários trabalhos premiados

A diretora do “Cras Betinha”, Antiella Carrijo Ramos, foi exonerada hoje da administração de Otacílio Parras (PSB). Os motivos não foram ainda anunciados. Ela vai permanecer mais alguns dias na coordenação do “Cras” do bairro São José e depois retorna para o cargo concursado de psicóloga do município. A administração não explicou o motivo da demissão. Na sexta-feira passada, o governo anunciou que não vai mais prestar nenhuma informação ao DEBATE.

Desde o início do governo de Otacílio Parras, talvez esta seja a demissão mais emblemática da administração. Afinal, Antiella implantou projetos sociais que transformaram a vila Divineia e estava ampliando o trabalho para a Bom Jardim. São dois locais com famílias de baixa renda.

Os programas mudaram a realidade da Divineia, como “Salgadinho”, grafites, capoeira e blocos de carnaval. O mesmo trabalho estava sendo desenvolvido para os moradores da “Bom Jardim”. O objetivo principal foi resgatar a autoestima e o amor pelas raízes.

Em 2018, Antiella é abraçada no final da exibição de uma peça teatral cujos atores foram moradores da vila Divineia

Pelas mãos de Antiella Carrijo, o “Cras” foi premiado várias vezes. A psicóloga, inclusive, foi chamada para dar palestra na Unesp e até apresentar os projetos de Santa Cruz do Rio Pardo em secretarias do governo do Estado.

A diretora e sua equipe produziram até dois documentários – “Fala Bom Jardim” e “Fala Divineia” –, que foram exibidos no “Palácio da Cultura Umberto Magnani” e nos respectivos bairros. Os documentários mostraram o surgimento das vilas, as características de seu povo e as personalidades marcantes de cada bairro. As produções foram, inclusive, indicadas a prêmios no Estado de São Paulo.

Em junho do ano passdo, Antiella passou a ter problemas de relacionamento com a secretária Eliane Botelho. Com o apoio do prefeito Otacílio Parras, Eliane proibiu Antiella de divulgar atividades do “Cras” nas redes sociais. Além disso, proibiu a diretora de dar entrevistas. Tudo deveria, antes, passar pelo crivo da secretaria de Desenvolvimento Social.

O DEBATE tentou entrar em contato com Antiella. Abalada, ela apenas confirmou a demissão e diz que volta ao trabalho como psicóloga. Porém, não quis falar sobre o assunto e nem dar detalhes sobre a exoneração.

  • Leia mais na edição de
    domingo do DEBATE
Sobre Sergio Fleury 5975 Artigos
Proprietário e Editor do Jornal Debate