Por que 12 de outubro é o ‘Dia das Crianças’?

Sérgio Fleury Moraes
Da Reportagem Local

Levante a mão quem sabe o motivo pelo qual 12 de outubro foi escolhido como um dia em homenagem às crianças. Isto no Brasil, porque vários países escolheram suas próprias datas como o Dia das Crianças. O Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), por exemplo, estipulou o dia 20 de novembro, data seguida por alguns países a partir de 1959. Foi neste ano que a Unicef publicou a Declaração dos Direitos das Crianças.

No Brasil, a comemoração é bem antiga. O estopim foi a terceira edição do “Congresso Sul-Americano da Crianças”, realizado no Rio de Janeiro em 1923. Aí, no ano seguinte, 1924, o deputado Galdino do Valle Filho apresentou um projeto instituindo 12 de outubro como o “Dia da Criança”. Em novembro daquele ano, o presidente Artur Bernardes assinou um decreto oficializando a data.

Faz tempo, não? Só que a comemoração demorou para “pegar”. Foi em 1955, através de uma campanha nacional promovida pela fabricante de brinquedos “Estrela”, é que o “Dia da Criança” passou a existir de fato. A partir daí, o comércio todo aderiu à data. Claro que todos buscavam o lucro da venda de brinquedos.

Deu tão certo que logo criaram a “Semana da Criança”, perto do dia festivo.

Mas não se engane. O feriado do dia 12 de outubro não é por causa do Dia das Crianças. Claro que os “baixinhos” adoram um dia especial para curtir os brinquedos, mas o feriado é em homenagem à santa padroeira do Brasil, Nossa Senhora Aparecida.

A santa é considerada padroeira desde 1930, por decreto do papa Pio XI, mas a data comemorativa só surgiu em 1980, quando outro papa, João Paulo II, se tornou o primeiro pontífice a visitar o Brasil. Foi, então, que o general João Figueiredo, o último presidente da ditadura militar, declarou 12 de outubro como o Dia da Padroeira.

E não há problema algum em celebrar duas comemorações num mesmo dia. Na verdade, as crianças geralmente são as primeiras convidadas para as festas alusivas a Nossa Senhora Aparecida. Neste dia, antes da pandemia, várias comunidades costumavam servir um almoço com direito a refrigerantes e doces. Tudo para alegrar as crianças e celebrar a Padroeira do Brasil. 

 

  • Publicado no suplemento DEBATINHO de 11 de outubro de 2020