CULTURA

O dia em que Hollywood visitou Santa Cruz do Rio Pardo

Atores filmavam “Pão de Açúcar” em Jacarezinho e pularam o Carnaval de 1963 em Santa Cruz

O dia em que Hollywood visitou Santa Cruz do Rio Pardo

Na casa de Rodolfo Pellegrino e Maria Pulcinelli, em Ourinhos, uma reunião com Rossano Brazzi

Publicado em: 13 de março de 2021 às 00:00
Atualizado em: 30 de março de 2021 às 14:32

Sérgio Fleury Moraes

Já imaginou entrar num baile de Carnaval no Clube dos Vinte e encontrar Brad Pitt e Júlia Roberts? Parece impossível, mas, mal comparando, foi exatamente o que aconteceu no Carnaval do antigo clube recreativo de Santa Cruz do Rio Pardo em 1963. As pessoas não acreditavam no que estavam vendo. Na frente dos privilegiados foliões, em carne e osso estavam a atriz Rhonda Fleming — chamada de “a vênus platinada de Hollywood” — e o ator Rossano Brazzi, o galã italiano que se consagrou em vários filmes dos Estados Unidos, como “Pacífico Sul” e “Candelabro Italiano”.

A cena realmente aconteceu e os atores eram famosos na época, ídolos daquela geração. Mesmo assim, alguns esfregavam os olhos para ver se estavam acordados, enquanto outros achavam que tinham bebido demais naquele carnaval e certamente estavam tendo visões pelo efeito alcoólico.

A visita a Santa Cruz do Rio Pardo foi mais que um acaso. Rhonda Fleming e Rossano Brazzi — além de outros atores, entre eles a atriz brasileira Odete Lara — participavam da filmagem do longa-metragem “Pão de Açúcar”, do diretor estadunidense Paul Sylbert, que estava sendo gravado em Jacarezinho, no Paraná.

O cenário principal foi a fazenda Califórnia, uma das primeiras terras do Norte do Paraná a ser colonizada em meados do século XIX e que pertencia ao grupo “Leon & Israel”, dos Estados Unidos — daí o batismo com o nome do enorme estado dos EUA. Em 2004, a fazenda foi adquirida pela família Saldanha Rodrigues, de Ourinhos. O líder do grupo, Paulo Saldanha, que comandava a empreiteira de asfalto Salenco, morreu naquele mesmo ano num desastre aéreo.

Coincidentemente, naquele 1963 o administrador da fazenda Califórnia era Antônio Garcia que, segundo o santa-cruzense João Ladeira, era o tio da sua esposa e irmão de Célio Figueira.

A cidade de Jacarezinho foi escolhida por uma série de fatores. Primeiro, o enredo do filme era sobre uma atriz dos EUA (Rhonda Fleming) que estava em férias no Brasil e conhece um poderoso cafeicultor no País (Rossano Brazzi), se apaixonam e se casam. No entanto, entra em cena um americano (William Redfield) e tem início um tenso triângulo amoroso.

Além disso, a cidade havia sido sugerida para ser o principal cenário do filme por nada menos do que Nelson Rockefeller, um dos homens mais ricos do mundo que foi vice-presidente dos Estados Unidos entre 1974 e 1977 e governador de Nova Iorque de 1959 a 1973. Rockefeller tinha vários negócios no Brasil, alguns em Jacarezinho.

Na pujante cidade do Norte Pioneiro paranaense, Rockefeller foi sócio de Antônio Secundino e Walter Moreira Salles — embaixador do Brasil nos EUA no segundo governo de Getúlio Vargas e dono do Unibanco (hoje Itaú). Além disso, o magnata estadunidense era amigo de Renato Costa Lima, diretor da usina de álcool de Jacarezinho e ministro da Agricultura no governo de João Goulart.

Por último, os produtores do filme tinham o apoio de Harry Stone, o lobista oficial dos oito maiores estúdios de Hollywood no Brasil e cujo casamento com uma brasileira teve como padrinho o presidente Juscelino Kubistschek.

O filme “Pão de Açúcar” — “Instant Love” na versão original — teve a maior parte das cenas rodadas em Jacarezinho. As filmagens finais foram gravadas no Rio de Janeiro.

Os trabalhos da equipe em Jacarezinho praticamente pararam a cidade do Norte Pioneiro. Afinal, Rhonda Fleming era considerada a “rainha do Technicolor”, a grande tecnologia do cinema na época. E não era uma atriz qualquer, mas uma das musas da era de ouro de Hollywood. Rhonda foi a estrela de pelo menos quatro filmes com o ator Ronald Reagan, que chegaria à presidência dos EUA. Mas também fez filmes com John Wayne, Burt Lancaster, Kirk Douglas, Charlton Heston e muitos outros. Em outra produção, foi a estrela do genial diretor Alfred Hitchcock no suspense “Quando Fala o Coração” (1945). No total, participou de mais de 40 filmes.

O outro astro de “Pão de Açúcar”, o italiano Rossano Brazzi, não ficava atrás. Participou de filmes como “Quatro Destinos” (1949), “O Candelabro Italiano” (1962), “A Condessa Descalça” (1954) e “Um Golpe à Italiana” (1969).

O diretor Paul Sylbert também teve um currículo respeitável. Vencedor do Oscar de melhor direção de arte em 1979, também dirigiu “Um Estranho no Ninho” (1975), “O Céu Pode Esperar” (1975), “Kramer vs. Kramer” (1979) e “Teoria da Conspiração” (1997), entre outros.

“Pão de Açúcar” teve ainda a participação da atriz Odete Lara, a musa brasileira do “Cinema Novo” que virou estrela do cinema no País por sua beleza e atuação, conquistando vários prêmios entre 1959 e 1969.

Pois todo este elenco pousou no aeroporto do Galeão, no Rio de Janeiro, de onde seguiu para Ourinhos e, de carro, para Jacarezinho. As gravações na cidade do Paraná duraram cerca de dois meses, janeiro e fevereiro de 1963. Depois, o filme foi concluído no Rio de Janeiro. Estreou nos cinemas do mundo todo em 1964.

Em Jacarezinho, a beleza de Rhonda Fleming brilhava ao circular pelas ruas em um conversível, de onde acenava para as pessoas nas janelas e calçadas. Várias delas aparecem no filme, como figurantes ou numa cena de dança de quadrilha junina.

Nas gravações no Rio de Janeiro, o empresário Milton Homsi soube das filmagens finais de “Pão de Açúcar” e resolveu acompanhar. Acabou participando como figurante numa cena no cais do porto carioca. Milton foi o maior amigo do empresário J. Hawilla, dono da TV Tem, afiliada da Rede Globo, até sua morte, em 2018.

Quem conta esta história é o economista santa-cruzense Miguel Moyses Abeche Neto, que coincidentemente naquele período estudava no colégio “Cristo Rei” em Jacarezinho. Amigo de Homsi, Miguel cursava um intensivo pré-ginasial e acompanhou a movimentação na cidade com a chegada da trupe de Hollywood.

Certo dia, num domingo, Miguel estava na bomboniere ao lado do recém-construído Cine Iguaçú. “De repente, percebi a entrada da Rhonda Fleming, Rossano Brazzi, Odete Lara e mais duas pessoas, entre elas possivelmente o Harry Stone. Logo houve uma aglomeração e fiquei impressionado com a beleza da Rhonda e com aquelas pessoas falando em inglês”, contou.

Nos 60 dias em Jacarezinho, as estrelas de “Pão de Açúcar” perambularam por Ourinhos e estiveram na casa de Rodolfo Pellegrino e Maria Pulcinelli – pais de Franco Pellegrino, que estava chegando a Santa Cruz do Rio Pardo como forte comerciante de máquinas agrícolas. O ourinhense José Carlos Neves Lopes, professor de História que mantém um blog histórico na internet, publicou várias imagens da passagem de Rhonda Fleming e Rossano Brazzi em Ourinhos. As fotografias foram feitas por José Machado Dias, fotógrafo profissional com quem o pai de Neves — Francisco de Almeida Lopes — trabalhava.

Uma das fotos mostra Rossano na casa de Rodolfo Pellegrino com várias mulheres de Santa Cruz do Rio Pardo, entre elas Mariza Gomes (mulher do ex-jogador Milão, da Esportiva Santacruzense), Olavínea Negrão, uma prima de Mariza residente em Bragança Paulista, Nelma Alvim e a prima de Adélia Pimentel, filha do advogado João Capistrano de Paula e viúva de Adalberto Pimentel. Elas foram levadas a Ourinhos por Franco Pellegrino, filho de Rodolfo.

Talvez tenha surgido neste encontro a ideia de levar parte da trupe para conhecer o Carnaval de Santa Cruz do Rio Pardo. Na época, a maior folia era no Clube dos Vinte, conhecida em todo o Estado. Para os atores, era uma chance de conhecer um Carnaval de salão.

E assim, Rondha e Rossano vieram a Santa Cruz, acompanhados pelo empresário Luizito Quagliato, para conhecer o clube de Santa Cruz do Rio Pardo. Na época, o Icaiçara estava começando e seu Carnaval ainda não chegava a rivalizar com o outro clube que era o símbolo da classe média. Além disso, o Ica era considerado um clube muito fechado, só para algumas famílias.

Miguel Abeche lembra que o Carnaval de 1963 no Clube dos Vinte foi o maior de todos os tempos. “Aquela foi uma noite inesquecível. Foliões privilegiados puderam ver de perto a atriz que era considerada a mais bela de Hollywood na época”, contou. “No dia seguinte, os comentários correram a cidade toda”.

O filme “Pão de Açúcar” completou 50 anos em 2014, quando foi relançado nos Estados Unidos numa edição especial em DVD. É possível assisti-lo no Youtube e em outras plataformas digitais. Rossano Brazzi morreu em Roma na véspera do Natal de 1994. Rhonda Fleming, a glamourosa “vênus platinada” de Hollywood, viveu até os 97 anos e morreu em outubro do ano passado.

O tempo, porém, praticamente apagou a memória daquela fantástica noite de Carnaval em Santa Cruz do Rio Pardo. O Clube dos Vinte fechou as portas no início da década de 1990 e milhares de fotografias daquela época desapareceram. No entanto, as lembranças ainda permanecem nas pessoas que vivenciaram aquele baile inesquecível. 

Colaborou: Miguel Moyses Abeche Neto

 

Leia mais:

Rockefeller, o magnata apaixonado pelo Brasil

 

Veja a abertura do filme

"Instant Love" - (Pão de Açúcar)

 

Clique nas laterais para ver as fotos

Numa cena do filme “Pão de Açúcar”, Rhonda  alimenta animais na fazenda Califórnia, na cidade de Jacarezinho
Rhonda foi considerada a mulher mais bela de Hollywood e viveu até o ano passado, com 97 anos
A “Manchete”, uma das maiores revistas de variedades nos anos 1960, destacou na capa a vinda de Rhonda Fleming ao Brasil para filmagens
No aeroporto de Ourinhos, Rhonda se despede do Brasil
ENCONTRO EM OURINHOS — Na casa de Rodolfo Pellegrino e Maria Pulcinelli, em Ourinhos, numa alegre reunião com o ator de cinema Rossano Brazzi (sentado à esquerda), estão Mariza Gomes (mulher do ex-jogador Milão, da Santacruzense), Olavínea Negrão, Nelma A
Em foto de 1957, Rhonda começa a se destacar também como cantora

PUBLICIDADE

SANTA CRUZ DO RIO PARDO

Previsão do tempo para: Quarta

Períodos nublados
23ºC máx
10ºC min

Durante todo o dia Céu limpo

COMPRA

R$ 5,20

VENDA

R$ 5,20

MÁXIMO

R$ 5,20

MÍNIMO

R$ 5,20

COMPRA

R$ 5,29

VENDA

R$ 5,62

MÁXIMO

R$ 5,46

MÍNIMO

R$ 5,46

COMPRA

R$ 6,17

VENDA

R$ 6,17

MÁXIMO

R$ 6,17

MÍNIMO

R$ 6,17

PUBLICIDADE

voltar ao topo

Voltar ao topo